Bom humor dos investidores permanece e dólar recua contra real

Possível vacina contra o coronavírus, acordo europeu sobre estímulo econômico histórico e proposta de reforma tributária no Brasil impulsionaram o apetite por risco.

Redação
Compartilhe esta publicação:
iStock
iStock

Às 10:20, o dólar recuava 1,23%, a R$ 5,1475 na venda

Acessibilidade


O dólar voltava a cair ante o real na manhã de hoje (22), cedendo mais de 1% à medida que a permanência do bom humor visto na última sessão compensava uma nova escalada nas tensões entre Estados Unidos e China.

Às 10:20, o dólar recuava 1,23%, a R$ 5,1475 na venda. Na mínima do dia, o dólar foi a R$ 5,1230. O dólar futuro de maior liquidez era negociado em queda de 0,81%, a R$ 5,1325.

LEIA MAIS: Forbes promove primeiro webinar sobre Saúde Mental nas empresas. Participe

Ontem (21), esperanças em relação a uma vacina contra o coronavírus, somadas a um acordo europeu sobre estímulo econômico histórico e ao encaminhamento da proposta de reforma tributária ao Congresso no Brasil, impulsionaram o apetite por risco, levando a moeda norte-americana à vista a fechar em forte queda de 2,44%, a R$ 5,2115 na venda.

O clima otimista continuava presente hoje, elevando ativos arriscados mesmo após notícias de que os Estados Unidos ordenaram o fechamento do consulado chinês de Houston, no Texas, agravando as tensões entre as duas maiores economias do mundo.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Ainda no radar estão as intermináveis preocupações com as tensões entre os Estados Unidos e a China; (…)Pequim classificou a atitude (dos EUA) como ultrajante e injustificável”, citou em nota Ricardo Gomes da Silva, superintendente da Correparti Corretora. Os mercados temem uma retaliação do país asiático, o que poderia prejudicar o acordo comercial entre os dois países.

Mas o pessimismo ficava de lado, pelo menos por enquanto, e moedas emergentes pares do real, como peso mexicano, rand sul-africano e dólar australiano, operavam em alta contra o dólar.

No Brasil, o governo encaminhou ao Congresso ontem a parte inicial de sua aguardada proposta de reforma tributária, que contempla a união de PIS e Cofins em um único imposto sobre valor agregado (IVA).

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

“O projeto de lei do governo dá entrada pela Câmara, mas deve ser discutido pela comissão mista, que inclui deputados e senadores, e já discute as PECs 45 e 110. O gesto ajuda o tema a ganhar momento”, disseram em nota analistas da XP Investimentos. “O negativo é que a reforma por etapas enfraquece as próximas fases, caso tardem muito a serem formalizadas.”

A opinião de vários agentes do mercado é de que a proposta do governo sinaliza a possibilidade de retomada da agenda de reformas, que havia sido interrompida pela crise econômica e sanitária gerada pela pandemia de coronavírus, e pode tornar o Brasil interessante para investidores estrangeiros.

Enquanto isso, a prévia da confiança da indústria doméstica sinalizou recuperação do setor, mais um sinal de que o pior da crise econômica da Covid-19 já passou.

No ano de 2020, o dólar ainda acumula ganhos de cerca de 28% contra o real, apoiado pelo cenário de juros baixos. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: