CVC Brasil está em tratativas finais para capitalização

Reuters
Reuters

CVC Brasil comunicou que está em tratativas internas finais quanto aos termos e condições definitivos de uma operação de capitalização

A CVC Brasil comunicou hoje (7) que está em tratativas internas finais quanto aos termos e condições definitivos de uma operação de capitalização da companhia, com o objetivo de fortalecer sua posição financeira diante dos desafios impostos pela pandemia de Covid-19.

Em fato relevante, a operadora de turismo acrescentou que até o momento não foi possível finalizar a elaboração das demonstrações financeiras do exercício social de 2019 e das informações financeiras intermediárias do primeiro trimestre de 2020, mas, tendo no radar a evolução da análise sobre a capitalização, divulgou informações atualizadas acerca do processo de revisão e conciliação dos erros contábeis e impactos da pandemia de Covid-19 em suas atividades.

VEJA TAMBÉM: Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, e fique por dentro de tudo sobre empreendedorismo

Na véspera, os papéis fecharam em alta de 10,55%, a R$ 21,79. No ano, porém, ainda acumulam perda de 50,25%.

Quanto aos erros contábeis, a CVC Brasil disse que o impacto potencial estimado dos respectivos ajustes na receita líquida de vendas da companhia é de aproximadamente R$ 350 milhões e inclui exercícios anteriores a 2015 até 2019. Estima ainda que, em virtude desses erros, possa ser possível recuperar cerca de R$ 55 milhões em tributos pagos indevidamente.

“Estes valores estimados e outros eventuais impactos dos potenciais erros contábeis serão confirmados ao final do processo de auditoria pelos auditores independentes e refletidos nas demonstrações financeiras referentes ao exercício social de 2019”, afirmou, reiterando que está trabalhando na conclusão do processo de elaboração do resultado de 2019 para apresentá-lo até 31 de julho de 2020.

Ainda citou que a apuração independente relacionada aos erros contábeis se encontra em estágio avançado.

Em relação aos efeitos da pandemia, a CVC Brasil disse que no momento possui aproximadamente 900 lojas abertas, de um total de cerca de 1.400 estabelecimentos e que, após série de medidas adotadas, os gastos mensais recorrentes da companhia, incluindo folha de pagamento e investimentos em projetos prioritários, foram reduzidos para uma média mensal de R$ 52 milhões no segundo trimestre de 2020.

No que diz respeito aos impactos relacionados aos efeitos da pandemia de Covid-19 nas atividades no primeiro trimestre de 2020, a operadora de turismo destacou registro de provisão para impairment no primeiro trimestre de 2020, em valor de aproximadamente R$ 475 milhões referentes a ativos intangíveis originados na aquisição de empresas, principalmente na Argentina; e R$ 81 milhões referentes a créditos de tributos diferidos, que, no atual cenário, dificilmente serão utilizados em um período razoável.

LEIA MAIS: Dólar sobe ante real com investidor buscando proteção na moeda

Também citou que o atual cenário do segmento de viagens e turismo impôs à companhia volume maior de cancelamentos de viagens, que atingiram R$ 96 milhões até 30 de junho de 2020. Também houve aumento na inadimplência de clientes, que atualmente corresponde a R$ 72 milhões, entre outras perdas.

A CVC Brasil ainda acrescentou que possui um saldo de aproximadamente R$ 380 milhões junto a companhias aéreas, referentes a bilhetes já pagos e que podem gerar perdas adicionais caso alguma companhia aérea encerre suas operações sem honrar ou transferir estes bilhetes para outra empresa. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).