d1000, braço de varejo da Profarma, pede registro para IPO

ReutersRahel-Patrasso
ReutersRahel-Patrasso

No prospecto, a d1000 afirma que sua dívida líquida somava R$ 205 milhões no fim de março

A d1000, braço da Profarma no varejo farmacêutico, pediu registro para realizar uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), segundo informações da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A operação, a ser coordenada pela XP Investimentos, envolve uma oferta primária, papéis novos, cujos recursos vão para o caixa da empresa amortizar dívidas, abrir novas lojas e reforçar o capital de giro, segundo o documento.

LEIA MAIS: Lavvi Empreendimentos Imobiliários pede registro para IPO

A empresa também menciona que avaliará oportunidades de crescimento “via aquisições selecionadas”.

A Profarma, distribuidora de produtos farmacêuticos, anunciou na segunda-feira (5) que contratou bancos para coordenar potencial oferta primária de ações da d1000.

Criada em 2016, a d1000 é dona das redes Drogasmil, Farmalife, Drogarias Tamoio e Drogaria Rosário, com total de 300 lojas distribuídas entre Rio de Janeiro, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso e Tocantins, de acordo com a sexta maior rede de varejo farmacêutico do Brasil.

No prospecto, a d1000 afirma que sua dívida líquida somava R$ 205 milhões no fim de março, ou 2,4 vezes o resultado operacional medido pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês). (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo: .

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).