Dólar sobe com demanda por proteção em meio a receio sobre Covid-19

REUTERS/Marcos Brindicci
REUTERS/Marcos Brindicci

Preocupações com os efeitos econômicos provocados pela pandemia faz dólar subir

O dólar subia ante o real na primeira meia hora de negócios hoje (10), refletindo dia mais arisco nos mercados externos em meio a renovadas preocupações sobre efeitos econômicos do coronavírus diante de um salto de novos casos nos Estados Unidos.

Às 9h29, o dólar avançava 0,45%, a R$ 5,3679 na venda. Na B3, o dólar futuro tinha alta de 0,64%, a R$ 5,3810.

LEIA MAIS: Após cair quase 2%, dólar fecha perto da estabilidade

No exterior, o dólar subia contra praticamente todos os seus principais rivais, com destaque para as altas ante divisas de perfil semelhante ao real, como peso mexicano, rand sul-africano e peso chileno, que perdiam entre 0,4% e 0,5%.

O receio do mercado é que as novas quarentenas impostas por alguns Estados norte-americanos prejudiquem a recuperação na maior economia do mundo, que ainda luta para sair da recessão.

Mais de 60.500 novas infecções por coronavírus foram relatadas nos Estados Unidos ontem (9), a maior contagem de casos em um único dia em qualquer país desde que o vírus surgiu no final do ano passado na China.

E no Brasil a pandemia também segue resiliente, com 42.619 novos casos de coronavírus na quinta, elevando o total para 1.755.779. Foram mais 1.220 mortes informadas na véspera, com o número agregado indo a 69.184.

“Frente ao aumento dos riscos do cenário, investidores optam por manter posições mais cautelosas”, disse em nota Alejandro Ortiz Cruceno, da equipe econômica da Guide Investimentos e chamando atenção para a queda nos yields dos treasuries e alta do ouro, ativos demandados em tempos de incerteza.

Do lado macro, o setor de serviços registrou queda em maio, ainda afetado pelas quarentenas impostas para conter a disseminação da Covid-19. E o IPCA de junho subiu em linha com as expectativas, o que orienta as atenções do mercado para eventuais leituras mais altas nos próximos meses.

Em entrevista à Reuters na noite de quarta-feira (8), o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que o BC precisa entender o impacto do crescimento na inflação para avaliar se ainda há espaço para corte residual nos juros básicos, complementando que dados na margem mostram inflação acima das expectativas.

Leituras de inflação mais altas poderiam barrar expectativas adicionais de cortes de juros pelo Banco Central, evitando nova deterioração nas análises de risco/retorno para o real. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo: .

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).