IGP-10 acelera a alta a 1,91% em julho sob peso de combustíveis, diz FGV

Ricardo Moraes/Reuters
Ricardo Moraes/Reuters

O destaque ficou para a alta de 1,37% do grupo Transportes em julho depois de queda de 1,01%, com a gasolina subindo 4,17% de queda de 3,49% em junho

Os preços dos combustíveis pesaram tanto no atacado quanto no varejo e o Índice Geral de Preços-10 (IGP-10) acelerou a alta a 1,91% em julho, de 1,55% no mês anterior, de acordo com os dados divulgados hoje (15) pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

“Os três índices componentes do IGP-10 contribuíram para o avanço da taxa deste indicador. A aceleração do IPA e do IPC contou com a alta dos combustíveis”, destacou o coordenador de índices de preços da FGV, André Braz.

LEIA MAIS: Atividade econômica no Brasil mostra retomada em maio com avanço de 1,31%, aponta BC

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que mede a variação dos preços no atacado e responde por 60% do índice geral, teve em julho alta de 2,54%, contra avanço anterior de 2,35%.

No IPA, a alta dos Bens Intermediários acelerou a 2,47% de 0,86% em junho, pressionado principalmente pelo subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, cuja taxa passou de 0,22 para 12,30%.

Por sua vez, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC-10), que responde por 30% do índice geral, passou a subir 0,50% em julho, de deflação de 0,33% em junho.

O destaque ficou para a alta de 1,37% do grupo Transportes em julho depois de queda de 1,01%, com a gasolina subindo 4,17% de queda de 3,49% em junho.

O Índice Nacional de Custo da Construção-10 (INCC-10) acelerou a alta a 0,62% no período, de 0,21% em junho.

O IGP-10 calcula os preços ao produtor, consumidor e na construção civil entre os dias 11 do mês anterior e 10 do mês de referência. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).