Medidas de isolamento contra Covid-19 “sufocaram a economia no Brasil”, diz Bolsonaro

Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

“Fizemos de tudo, mas a economia tem que voltar a funcionar”, defendeu o presidente Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (18) que as medidas de isolamento adotadas por governadores e prefeitos contra a disseminação do novo coronavírus no Brasil “sufocaram” a economia do país.

Em frente ao Palácio da Alvorada, onde cumpre quarentena por ter sido diagnosticado com a Covid-19, o presidente falou informalmente a apoiadores, após breve cerimônia para hastear a bandeira nacional. As declarações foram transmitidas pela página oficial de Bolsonaro no Facebook.

LEIA MAIS: Forbes promove primeiro webinar sobre Saúde Mental nas empresas. Participe

“Em um país continental como o nosso, aplicaram o lockdown quase que instantaneamente, sufocaram a economia no Brasil e vão querer botar a culpa em mim?”, questionou.

Segundo ele, não faltaram recursos por parte do governo federal, nem medidas para rolar dívidas dos Estados. “Fizemos de tudo, mas a economia tem que voltar a funcionar”, defendeu.

Bolsonaro disse que ninguém morreu por falta de aparelhos respiradores durante a pandemia, porém ressaltou que “sem salário, sem emprego, você morre de fome”.

Ainda de acordo com o presidente, o isolamento domiciliar também pode desencadear morte por outras causas.

“Brasil fica só falando de vida, de vida, isolamento mata”, afirmou o presidente, acrescentando que aumentaram os casos de violência doméstica, suicídio e depressão na quarentena.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Sobre seu tratamento contra a Covid-19 à base de hidroxicloroquina, Bolsonaro disse que é a “prova viva” do funcionamento da medicação.

“Não existe comprovação científica que não seja eficaz, mas também não existe o contrário, de que não funciona”, explicou.

MILITARES NA SAÚDE

Ontem, Bolsonaro também voltou a defender a atuação do ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, e minimizou novamente a presença de militares na pasta.

“Ele (Pazzuelo) faz um trabalho excepcional de gestão”, ressaltou o presidente.

Nesta semana, Bolsonaro confirmou que o general permanecerá na pasta até o momento, mesmo em meio a críticas, e chegou a dizer que Pazuello era “predestinado” para contribuir com a pátria em momentos difíceis, como o da atual pandemia.

Quanto aos militares no Ministério da Saúde, ele reafirmou que a pasta conta com mais de 5 mil servidores de carreira e o general levou somente 15 militares.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).