Minerva limita efeito do câmbio e passa de prejuízo para lucro no 2ºtri

Forbes
Forbes

Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) atingiu R$ 590,2 milhões

A Minerva Foods reportou lucro líquido de R$ 253,4 milhões no segundo trimestre, ante prejuízo de R$ 113,3 milhões um ano antes, com desempenho operacional recorde, refletindo a política de hedge.

“A estratégia de hedge evitou um efeito negativo de R$ 437 milhões sobre a dívida líquida do trimestre”, disse a jornalistas o diretor financeiro e de relações com investidores da Minerva, Edison Ticle, em videoconferência hoje (29).

VEJA TAMBÉM: Forbes promove webinar sobre saúde mental nas empresas. Participe
No trimestre, a moeda norte-americana atingiu um pico, perto de R$ 6, e chegou a acumular valorização superior a 30% no ano, diante da turbulência na esteira da pandemia da Covid-19.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) atingiu R$ 590,2 milhões, recorde para um segundo trimestre, alta de 62% no comparativo anual e margem Ebitda recorde de 13,4%, alta de 4,4 pontos percentuais ano a ano.

Com isso, a alavancagem líquida do trimestre, medida pela relação entre dívida líquida e Ebitda dos últimos 12 meses foi de 2,6 vezes, menor patamar dos últimos 12 anos. Em dólar, a alavancagem líquida encerrou o trimestre em 2,2 vezes.

“(Com o hedge) a dívida da companhia ficou praticamente estável na passagem de trimestre e a alavancagem caiu porque o Ebitda subiu mais de 60%”, afirmou Ticle. “O grande brilho do trimestre é sem dúvida nenhuma o resultado operacional”.

Efeito Covid

Também na videoconferência, o presidente da Minerva, Fernando Galletti de Queiroz, destacou que a pandemia veio em “ondas” entre países fornecedores e consumidores de proteína animal, com mercados muito mais voláteis, o que exigiu que a companhia se adequasse de forma mais rápida.

E AINDA: Minerva anuncia suspensão de abates em 4 plantas em meio a efeitos do coronavírus

No trimestre, a Divisão Brasil da Minerva abateu cerca de 344,1 mil cabeças de gado, queda de 16,2% no comparativo anual, com uso da capacidade de 63,2%, ante 76,7% um ano antes.

“A redução na utilização de capacidade explica-se pela implementação das medidas de segurança no interior das fábricas, para atender as normas de combate à Covid-19”, disse a empresa.

Desta forma, o volume consolidado de abate da Minerva –incluindo as operações da subsidária Athena Foods na América do Sul– atingiu 752,2 mil cabeças no período, redução de 12,2% com taxa de uso da capacidade caindo de 76% para 69,7% em um ano.

“Ainda assim, tivemos o melhor segundo trimestre da história”, disse Queiroz.

A receita líquida da Minerva R$ atingiu 4,4 bilhões no período, crescimento de 9,3% na variação anual. A receita bruta de R$ 4,625 bilhões, representou alta de 8,3%, puxada pelo mercado externo, que avançou 16%, para R$ 3,34 bilhões.

LEIA AQUI: Minerva cria área de inovação que inclui e-commerce e venture capital

Segundo Queiroz, a demanda da China segue firme e o trabalho do Ministério da Agricultura brasileiro tem contribuído para minimizar riscos de exportação relativos à crise do coronavírus.

“Não tivemos nenhum contrato renegociado pela China…a febre suína continua contaminando o rebanho suínos deles e soma-se a isso a redução nas exportações australianas”, pontuou.

No mercado interno, Queiroz disse que o food service está em retomada gradual, “mas ainda não chega perto do que era antes da pandemia”. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).