Warren recebe aporte de R$ 120 milhões

Divulgação
Divulgação

Marcelo Maisonnave, Tito Gusmão, Kelly Gusmão, Rodrigo Grundig e André Gusmão, sócios da Warren

A corretora gaúcha Warren – considerada uma das representantes da categoria batizada de 3.0, cujo modelo de remuneração está alinhado ao cliente e não aos produtos – anunciou hoje (10) que vai receber um aporte no valor de R$ 120 milhões de um pool liderado pelo fundo de venture capital QED Investors, também investidor de empresas como Nubank e Loft. A rodada conta ainda com a participação dos fundos Kaszek Ventures, Chromo Invest e Ribbit, que já eram investidores da empresa desde a série A, quando a empresa captou R$ 25 milhões, e MELI Fund, WPA e Quartz, que entram para o time, junto com a QED, na série B.

A rodada é anunciada no momento em que o país debate a transparência na indústria de investimentos, discussão que teve início com a nova campanha de marketing do Itaú, que colocou em xeque os modelos de remuneração das corretoras independentes – incluindo a XP, da qual o banco é dono de 49,9%.

LEIA MAIS: Corretoras 3.0: o que a terceira via pensa da guerra entre Itaú e XP

“A Warren antecipou para o mercado de investimentos no Brasil um jeito de investir que já é realidade em países com economias mais maduras, com o modelo fee-based”, diz Nicolas Berman, sócio do Kaszek Ventures.

Com 130 mil clientes e pouco mais de três anos em operação, a Warren hoje conta R$ 2 bilhões de ativos sob gestão e deve multiplicar esse patrimônio por cinco até o fim de 2021, atingindo a marca de R$ 10 bilhões. A plataforma oferece ao todo 400 produtos, incluindo sete fundos próprios, e, apesar das dificuldades impostas pela pandemia de Covid-19, dobrou o patrimônio que gerencia e ainda contratou, remotamente, 30% do atual quadro de 280 funcionários. Agora, o objetivo é recrutar mais 80 nomes até o fim do ano.

“A nossa meta é seguir investindo, principalmente em tecnologia. Vamos continuar entregando a melhor experiência de investimento para os usuários das nossas plataformas em um modelo totalmente alinhado aos interesses do investidor, pauta que ganhou ainda mais relevância nos últimos tempos”, explica Tito Gusmão, CEO da corretora.

Outro destino do investimento é no desenvolvimento de novas soluções para a plataforma para parceiros, a Warren for Business. “Queremos dobrar a nossa base de parceiros. Hoje temos mais de 200 conectados e pretendemos chegar a 400 até o fim do ano”, antecipa Gusmão. “Para isso vamos investir em ampliar a oferta de produtos e serviços, como seguros, previdência e planejamento financeiro, tudo isso integrado em uma plataforma white label que prima por ajudar o parceiro a construir seu negócio.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo: .

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).