Dólar supera R$ 5,46 e bate máxima desde junho com atenções a exterior

Nelson_A_Ishikawa/Getty Images
Nelson_A_Ishikawa/Getty Images

A moeda oscilou na sessão entre alta de 1,07% (para R$ 5,4706) e queda de 1,11% (a R$ 5,3525).

O dólar começou a semana em alta ante o real, na quarta valorização diária consecutiva e na máxima desde o fim de junho, puxado por um dia de moeda norte-americana fortalecida no exterior em meio a tensões EUA-China.

O país asiático impôs hoje (10) sanções a 11 cidadãos dos EUA, incluindo parlamentares do Partido Republicano, ao qual pertence o presidente Donald Trump, em resposta a sanções por Washington contra Hong Kong e autoridades chinesas acusadas de restringir liberdades políticas na ex-colônia britânica.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Ruídos entre China e EUA, as duas maiores economias do mundo, há tempos sacodem os mercados financeiros, com o embate comercial escalando para âmbito geopolítico.

A China é o maior parceiro comercial do Brasil e de vários países da América Latina. Todas as principais moedas latino-americanas se desvalorizaram nesta sessão.

O dólar à vista subiu 0,97% nesta segunda-feira, a R$ 5,4649 na venda, maior patamar desde 26 de junho (R$ 5,4652). A moeda oscilou na sessão entre alta de 1,07% (para R$ 5,4706) e queda de 1,11% (a R$ 5,3525).

Em quatro sessões seguidas de ganhos, o dólar avançou 3,43%. A série de altas é a mais longa desde os cinco pregões de apreciação entre 12 e 18 de junho. O dólar sobe 4,72% em julho e salta 36,18% em 2020. Na B3, o dólar futuro tinha alta de 0,41% nesta segunda-feira, a R$ 5,4670, às 17h06.

No exterior, moedas emergentes pares do real –como peso mexicano, lira turca, rand sul-africano, peso chileno e peso colombiano– depreciavam. “Há muito foco na Turquia no momento, mas a realidade é que a pressão de depreciação tem crescido em todo o mundo emergente nas últimas duas semanas”, disse Robin Brooks, economista-chefe do Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês), lembrando desvalorizações do real, da lira turca (que sofreu liquidação recentemente) e do rand sul-africano.

O dólar subiu ante o real nesta segunda na véspera de o Comitê de Política Monetária (Copom) divulgar a ata da reunião da semana passada, quando o juro básico foi reduzido a nova mínima recorde de 2% ao ano e o Banco Central deixou a porta aberta para nova distensão monetária.

Na sexta, o dólar saltou 1,30%, movimento que, para o Scotiabank, esteve relacionado a uma leitura fraca do IPCA de julho. “(O dado) remove pelo menos um impedimento para novo corte da Selic em setembro que reduziria ainda mais as diferenças de taxas entre o Brasil e os Estados Unidos, já em mínimas recordes”, disseram Brett House e Tania Escobedo Jacob em relatório no qual preveem nova redução de 0,25 ponto percentual da Selic em setembro, para 1,75% ao ano.

A redução sucessiva da taxa básica de juros a mínimas históricas afetou o mercado de câmbio ao pressionar rendimentos brasileiros atrelados à Selic, tornando o Brasil menos atrativo para o investidor estrangeiro quando comparado a pares emergentes com mesmo nível de risco e retorno mais alto. Somando-se aos ventos contrários ao real, os profissionais do Scotiabank lembram “crescentes” preocupações sobre deterioração da postura fiscal do Brasil, pressão por mudanças no teto de gastos e possíveis atrasos na realização de uma reforma fiscal mais ampla. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).