Eletrobras lucra R$ 4,6 bilhões no 2° trimestre com revisão tarifária

A companhia registrou investimentos de R$ 380 milhões no período, valor 43% abaixo do registrado em 2019

A elétrica estatal Eletrobras registrou lucro líquido de R$ 4,6 bilhões no segundo trimestre, favorecida por uma revisão tarifária de seus ativos de transmissão, mas o resultado ainda ficou 17% abaixo do visto no mesmo período do ano passado.

A maior empresa de eletricidade da América Latina teve lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) 483% maior na comparação anual, de R$ 7,78 bilhões, com impacto positivo de R$ 5,5 bilhões devido à revisão das tarifas de transmissão.

LEIA MAIS: Eletrobras prevê investir R$ 6 bi/ano até 2035, ou R$ 12,6 bi/ano se privatizada

Excluídos efeitos não recorrentes, porém, o Ebitda ajustado foi de R$ 2,4 bilhões, com queda de 19% ante mesmo trimestre de 2019.

A receita operacional líquida da Eletrobras somou R$ 11 bilhões entre abril e junho, alta de 68%.

A companhia, responsável por um terço da geração e metade da rede de transmissão de energia do Brasil, registrou investimentos de R$ 380 milhões no período, valor 43% abaixo do registrado em 2019.

A elétrica ainda registrou impacto negativo de R$ 195 milhões devido à variação cambial.

As receitas com geração somaram R$ 4,8 bilhões no trimestre, contra R$ 5,3 bilhões no mesmo período do ano passado. Já as de transmissão avançaram para R$ 7,5 bilhões, contra R$ 2,5 bilhões no ano anterior.

A estatal encerrou o trimestre com R$ 14,7 bilhões em caixa e equivalentes de caixa.

VEJA TAMBÉM: Lucro da Eletrobras cai 77% no 1º trimestre para R$ 307 milhões

Com isso, a dívida líquida ficou em R$ 19,6 bilhões, contra R$ 19,97 bilhões no mesmo período de 2019.

A alavancagem, medida pela relação entre dívida líquida e geração de caixa (Ebitda) recorrentes, ficou em 1,5 vez, contra 2,1 vezes no ano anterior.

A companhia também registrou significativa redução no número de empregados, para 12,5 mil, contra 15,5 mil anteriormente, com programas de demissão voluntária.

A Eletrobras disse que essas demissões ajudaram a reduzir custos com pessoal, material, serviços e outros (PMSO) em 26% na comparação ano a ano, para R$ 1,67 bilhão.

No caso da revisão tarifária dos ativos de transmissão, aprovada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em junho, a companhia explicou que foi impactada positivamente pelo reconhecimento de valores adicionais em indenizações recebidas por meio das tarifas após ter aceitado renovar antecipadamente contratos de concessão entre 2012 e 2013.

No primeiro semestre, o lucro da Eletrobras somou R$ 4,9 bilhões, com queda de 29% frente aos R$ 6,9 bilhões nos primeiros seis meses de 2019. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).