Auxílio emergencial será de R$ 300 até final do ano, anuncia Bolsonaro

Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Presidente Jair Bolsonaro anunciou que o auxílio emergencial será de R$ 300 até o final do ano

O valor do auxílio emergencial que será pago pelo governo federal a vulneráveis até o final do ano por causa da pandemia de coronavírus será de R$ 300, anunciou hoje (1) o presidente Jair Bolsonaro ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes, e de líderes parlamentares no Palácio da Alvorada.

A extensão do auxílio, que vinha sendo discutida pelo governo há algumas semanas, foi confirmada até dezembro pelo presidente.

LEIA MAIS: Economia do Brasil encolhe recorde de 9,7% no 2º trimestre

“Nós decidimos aqui, atendendo à economia, em cima da responsabilidade fiscal, fixá-lo em R$ 300”, disse o presidente depois de reunião em que apresentou as medidas aos líderes dos partidos da base do governo no Congresso.

Bolsonaro acrescentou ainda que a decisão do governo e dos líderes é fazer a prorrogação por medida provisória.

O auxílio emergencial pago pelo governo durante a pandemia tem sido apontado como principal fator para o aumento da aprovação do governo Bolsonaro, registrado em pesquisas de opinião recentes.

De acordo com Guedes, a extensão do benefício custará à União quase R$ 90 bilhões até o final do ano. Até agosto foram investidos R$ 254,4 bilhões no programa.

O valor de R$ 300, apesar de ser a metade do auxílio pago até agora, foi uma imposição de Bolsonaro. A equipe econômica defendia um valor menor, entre R$ 200 e R$ 250.

No início da pandemia de Covid-19, o governo Bolsonaro divulgou proposta de um auxílio de R$ 200, mais próximo à média então concedida pelo Bolsa Família, de R$ 180, enquanto o Congresso trabalhou num texto que previa a concessão de R$ 500. Ao fim, os parlamentares acabaram aprovando um benefício de R$ 600 com a sanção do presidente, que terminou por capitalizar o valor como vitória do governo.

No pronunciamento no Palácio da Alvorada, Bolsonaro também anunciou que o governo enviará na quinta-feira (3) a proposta de reforma administrativa ao Congresso, e tanto Bolsonaro quanto Guedes enfatizaram que a proposta não atingirá os servidores públicos que estão em atividade, focando-se principalmente nos futuros funcionários. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).