Debate reforça riscos políticos e futuros dos EUA trabalham em queda

Djgunner/Getty Images
Djgunner/Getty Images

Mercados acompanham também os temores quanto ao crescimento dos casos de coronavírus nos EUA e Europa

Os futuros dos índices de ações norte-americanos operam no negativo nesta manhã (30), após um agressivo debate entre os candidatos à presidência dos EUA, Donald Trump e Joe Biden na noite de ontem. Às 7h14, horário de Brasília, o S&P 500 recuava 0,79%, o Dow Jones perdia 0,86% e o Nasdaq desvalorizava 0,93%.

No debate – marcado por gritos, ofensas pessoais e acusações entre os candidatos -, o democrata Biden afirmou que revogaria o corte de impostos promovido pela administração Trump, que em 2018 reduziu de 35% para 21% a carga tributária das empresas no país. O presidente Trump, por sua vez, voltou a levantar a possibilidade de fraudes nas eleições e evitou pedir aos supremacistas brancos – e também seus apoiadores – para que não promovam agitações civis enquanto a apuração do resultado não é concluída.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Na Europa, os mercados acompanham também os temores quanto ao crescimento dos casos de coronavírus e os impactos de novos lockdowns, e outras medidas de distanciamento social, sobre a economia da região. Também às 7h14, o FTSE 100 perdia 0,14%, enquanto o DAX recuava 0,56%, o CAC 40 descia 0,43%, o Stoxx 600 desvalorizava 0,35% e o FTSE MIB operava em queda de 0,15%.

Na Ásia, as Bolsas fecharam no misto, com o Nikkei 225 e o Shangai Composite em queda, recuando 1,50% e 0,20%, respectivamente. Já o Hang Seng e o BSE Sensex encerraram o dia com ganhos, subindo 0,79% e 0,25%, respectivamente.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).