Como a moeda digital da China funciona?

DanielGrizelj/GettyImages
DanielGrizelj/GettyImages

O yuan digital funciona como os atuais métodos eletrônicos de pagamento atuais na China

A China concluiu ontem (18) o maior projeto-piloto até agora para criação de uma criptomoeda apoiada por seu Banco Central, algo que analistas afirmam ter ampliado a liderança do país na corrida global para o desenvolvimento de dinheiro digital por parte de bancos centrais (CBDC).

O teste consistiu na distribuição de carteiras online que continham 200 yuans digitais (US$ 29,75) para 50 mil consumidores aleatórios.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O BC da China tem trabalhando em sua moeda digital desde 2014, mas liberou alguns detalhes sobre o projeto apenas no ano passado. Algumas informações importantes, como cronograma estimado de lançamento, continuam em segredo.

Uma série de programas-piloto, realizados principalmente em Shenzhen (província chinesa) neste mês mostraram que o yuan digital pode funcionar para pagamento de produtos.

Empresas de aplicativos, como a Didi Chuxing, e de transporte urbano, como a Meituan e a Dianping, de entrega de refeições, também estão envolvidas no projeto.

Como funciona?

Da perspectiva do usuário, o yuan digital funciona como os atuais métodos eletrônicos de pagamento na China, que operam por meio dos aplicativos Alipay e WeChat Pay: os usuários baixam apps de carteiras digitais onde podem guardar recursos e que geram um código QR que pode ser lido por terminais de pagamento.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Porém o yuan digital é projetado para substituir o dinheiro físico em circulação, não dinheiro depositado a longo prazo em contas bancárias.

Os bancos comerciais participam na distribuição da moeda digital. Para isso, eles precisam depositar exatamente a mesma quantia de suas reservas junto ao Bbanco Ccentral da China para distribuir o dinheiro eletrônico aos clientes.

Tanto as instituições financeiras, quanto o BC manterão bancos de dados que acompanham os fluxos do yuan digital de um usuário para outro. AIlgo que não é possível fazer de forma tão efetiva usando dinheiro físico, como cédulas e moedas.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Diferente de criptomoedas como bitcoin, o yuan digital não vai depender de uma tecnologia de bancos de dados distribuídos que permite que transações sejam validadas sem necessidade de bancos.

Qual a efetividade?

O uso amplo do yuan digital dará aos formuladores de política monetária da China maior visibilidade sobre como estão os fluxos de capital na economia do país. Isso ajudará no acompanhamento de fluxos de capital considerados ilícitos pelas autoridades e permitirá intervenções de política monetária sobre classes econômicas, regiões ou outros grupos específicos.

A China tem um objetivo antigo de internacionalizar sua moeda e o yuan digital poderá ajudar nisso, tornando mais simples que usuários em outros países utilizarem o yuan. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).