CVC apura prejuízo de R$ 1,15 bi no 1º tri com impacto da pandemia

Reprodução/Forbes

A CVC Turismo divulgou ontem (30) que sofreu prejuízo de R$ 1,15 bilhão no primeiro trimestre deste ano, ante resultado positivo próximo de R$ 50 milhões no mesmo período de 2019. O resultado é puxado, principalmente, por uma baixa contábil de R$ 637,5 mi, efeito da pandemia de coronavírus e das “incertezas acerca das perspectivas de retomada das atividades do setor de viagens e turismo”, afirmou a CVC no balanço.

Segundo a empresa, excluindo-se os efeitos não recorrentes que somaram baixa contábil e a provisão para perda de créditos fiscais de R$ 302,7 milhões, o resultado dos três primeiros meses do ano é de prejuízo líquido aproximado de R$ 73 milhões. Em 2019, a CVC registrou prejuízo de R$ 4 milhões.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

“O desempenho da companhia nos meses de janeiro e fevereiro estavam em linha com o cenário projetado para o ano, porém março chegou e com ele a enorme tempestade causada pela pandemia”, explicou a empresa em comunicado.

A receita líquida de vendas da CVC no primeiro trimestre caiu 18% na comparação anual, enquanto as despesas operacionais cresceram 12,7%.

Em relatório sobre o balanço, a KPMG cita “incerteza relevante relacionada com a continuidade operacional” da empresa e que “os planos da companhia consistem substancialmente em realização de aumento de capital e negociação com os debenturistas para repactuação dos vencimentos previstos para 2020”.

Executivos da empresa irão tratar dos rumos da CVC na tarde de hoje em teleconferência sobre o resultado do primeiro trimestre. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).