Dívida de mercados emergentes supera US$ 4 trilhões pela 1ª vez, diz BIS

krisanapong detraphiphat / GettyImages
krisanapong detraphiphat / GettyImages

Região da Ásia-Pacífico e a América Latina obtiveram aumentos de 9% e 5%, respectivamente, na comparação anual. Em contraste, a Europa emergente teve queda de 5%

A dívida em mercados emergentes ultrapassou R$ 4 trilhões pela primeira vez, influenciada pela maior contração econômica durante a crise do coronavírus, mostraram dados do Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês).

O grupo que reúne bancos centrais disse que um salto de 14% na emissão da dívida durante o segundo trimestre levou a um aumento de 7% na comparação anual no crédito.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Consistente com os últimos trimestres, o crédito para a África e o Oriente Médio registrou a taxa de crescimento mais alta, de 14%, disse o BIS.

A região da Ásia-Pacífico e a América Latina obtiveram aumentos de 9% e 5%, respectivamente, na comparação anual. Em contraste, a Europa emergente teve queda de 5%.

Os custos de empréstimo em dólar caíram, desde que o Federal Reserve cortou sua taxa de juros para quase zero este ano, mas os mercados emergentes são muitas vezes alertados sobre a possibilidade de não conseguirem pagar a dívida em dólar. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).