Emirados Árabes reafirmam plano de reduzir cortes de produção do petróleo

Bet_Noire/GettyImages
Bet_Noire/GettyImages

Opep+ deve flexibilizar os cortes de produção em 2 milhões de bpd em janeiro

O ministro da Energia dos Emirados Árabes Unidos, Suhail al-Mazrouei, afirmou hoje (13) que os produtores de petróleo da Opep+ vão manter os planos de reduzir os cortes de oferta da commodity a partir de janeiro de 2021. A organização deve flexibilizar os cortes de produção em 2 milhões de bpd em janeiro.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

A Opep+, formada por membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados, como a Rússia, tem reduzido a produção desde janeiro de 2017, em uma tentativa de equilibrar o mercado, apoiar os preços e reduzir estoques.

Atualmente, os cortes de oferta atingem 7,7 milhões de barris por dia (bpd), depois de terem chegado a 9,7 milhões de bpd mais cedo neste ano.

A redução dos cortes acontecem novamente no final deste ano. “Nós acreditamos que esse seja o volume calculado para atender à demanda que está voltando”, disse o ministro Suhail al-Mazrouei durante o Energy Intelligence Forum.

Mazrouei disse estar mais otimista com a recuperação da demanda por petróleo do que a Agência Internacional de Energia, que afirmou também nesta terça-feira que uma eventual recuperação econômica global lenta da pandemia poderia adiar para 2025 a retomada total da demanda.

O ministro disse que há sinais de recuperação na demanda por petróleo em países que suspenderam restrições relacionadas à Covid-19, destacando que a China já atingiu quase 90% dos níveis pré-pandemia. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).