Performance do bitcoin deixa gigantes como Amazon, Google e Facebook comendo poeira em 2020

MARK GARLICK SCIENCE PHOTO LIBRARY/Getty Images
MARK GARLICK SCIENCE PHOTO LIBRARY/Getty Images

Moeda digital acumula alta de quase 80% no ano e é negociada acima dos R$ 73 mil nas exchanges brasileiras

O bitcoin está novamente em movimento. Com um preço próximo dos US$ 13 mil e alta de 80% no ano, a moeda digital ultrapassa até mesmo a performance dos principais papéis do S&P 500, incluindo Facebook, Apple, Netflix, Google e Amazon. No Brasil, o BTC opera em patamares históricos diante da desvalorização do real frente ao dólar. Às 12h05 de hoje (23), a cripto era cotada acima dos R$ 73 mil, com alta de 1,01%.

Performance do bitcoin comparada com ações de gigantes de tecnologia do S&P 500

Olhando de forma mais ampla para os principais índices do mercado norte-americano, o desempenho do bitcoin neste ano é ainda mais impressionante: quase três vezes a performance do Nasdaq 100, que atualmente se encontra em torno de 32% de alta. Além disso, supera o S&P 500 em 1600%, enquanto o índice Dow Jones permanece em território negativo.

Performance do bitcoin comparada com os principais índices de Wall Street

O que está por trás do rally?

A principal causa para esse aumento foi o anúncio na semana de que o PayPal permitirá que seus milhões de clientes nos EUA comprem bitcoin, ethereum, litecoin e bitcoin cash diretamente de seu aplicativo. Além disso, a empresa informou planos de expandir o suporte de criptomoedas para o aplicativo de pagamentos Venmo, o que tornaria a oferta disponível em âmbito internacional já em 2021.

O anúncio estimulou outras iniciativas positivas para o bitcoin, incluindo grandes alocações institucionais de empresas de capital aberto e gestores de bilhões em ativos, como Square, MicroStrategy e Stone Ridge Asset Management.

Desta vez pode ser diferente

A última vez que o preço do bitcoin esteve tão alto foi durante a queda da bolha de criptomoedas de 2017-2018, quando a moeda bateu o valor próximo de US$ 20 mil. Embora não exista nenhuma garantia de que o bitcoin revisitará a posição, membros da indústria cripto estão cautelosamente otimistas devido a:

  • A ascensão mais gradual que ocorrerá em 2020, em vez dos picos e quedas agudas como observado há alguns anos;
  • Tendências macroeconômicas, como gastos massivos de bancos centrais que pressionam moedas fiduciárias, como o real e o dólar;
  • Integridade geral da rede, com maior número de registro de contas ativas e energia computacional sendo usada para proteger a rede.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).