Seis dúvidas mais comuns das PMEs sobre o PIX

SOPA Images / GettyImages
SOPA Images / GettyImages

Estorno de recursos, portabilidade das chaves e uso de cartões de crédito estão entre os questionamentos dos empresários

Esperar para receber o dinheiro no próximo dia útil ou pagar altas taxas para a utilização de um meio de pagamento – como boletos – sempre foram dores comuns para as empresas de todos os portes. A partir de novembro, porém, será possível fazer recebimentos dentro de apenas dez segundos, em qualquer dia da semana e a qualquer hora. Trata-se do PIX, novo sistema de pagamentos instantâneos operacionalizado pelo Banco Central.

“O PIX veio para mudar a forma como enxergamos os meios de pagamento. Por meio dele, tanto as pessoas físicas quanto as empresas poderão realizar transações de forma mais segura e inovadora, a custos muito mais baixos do que os meios utilizados até hoje”, afirma Luiz Paulo, diretor-executivo da NTW Contabilidade e Gestão Empresarial, que listou as seis principais dúvidas dos pequenos e médios empresários sobre como o PIX pode melhorar os processos e as transações dentro das organizações:

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

1 – Existem intermediários nesta modalidade de pagamentos?

Não. Pelo PIX, os pagamentos ocorrem diretamente entre pagador e recebedor. Por isso, eles são muito mais vantajosos do que os tradicionais boletos, por exemplo. Os intermediários, além de encarecerem as transações, as tornam mais demoradas. Vale lembrar que a instantaneidade é uma das principais vantagens do PIX.

2 – Preciso fazer o cadastro em vários bancos?

O recomendado é cadastrar-se no banco que a empresa mais utiliza. Vale avaliar em qual banco o dinheiro rende mais, e também considerar o aplicativo mais intuitivo e menos burocrático. É possível cadastrar até cinco chaves, sendo dois e-mails, dois números de telefone, CPF e CNPJ. Caso deseje trocar o banco, é possível fazer a portabilidade.

3 – O PIX substituirá a função do cartão de débito?

Esta será uma das suas funções, já que ele permite fazer pagamentos pelo celular por meio de um QR Code. A partir de novembro, inclusive, empresas poderão usar apenas um código para receber via diferentes meios de pagamento, incluindo o PIX. Além de facilitar o processo, isso revoluciona: o cliente não precisará mais andar com uma carteira cheia de cartões. Já o cartão de crédito deve permanecer firme por um bom tempo, já que o PIX não oferece a possibilidade de parcelamento das compras.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

4 – Como serão revertidas as transações equivocadas?

Este ainda é um ponto nebuloso. Os bancos ainda verificam como deverão proceder, mas de qualquer forma o PIX requer mais cuidado e atenção na hora de conferir os dados. Por enquanto, depois de confirmada a transação, o dinheiro só retorna se a pessoa que recebê-lo quiser devolver.

5 – O PIX vai expor as movimentações para a Receita Federal?

Como se trata de um sistema centralizado no Banco Central, ficará cada vez mais fácil para os órgãos reguladores descobrirem as movimentações das pessoas físicas e jurídicas. Quando a Receita encontra indícios de irregularidade em um CPF, automaticamente o status do documento já muda para pendente ou pendente de regularização. Com o PIX, isso pode ocorrer mais facilmente.

6 – Existe a possibilidade de o PIX ser utilizado para recolhimento automático de impostos?

Sim, isso pode acontecer no futuro, tanto para as pessoas físicas quanto para as jurídicas, já que o governo conhecerá minuciosamente sua movimentação. Já imaginou nunca mais necessitar fazer a declaração do imposto de renda? Este dia pode estar mais perto do que se imagina.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).