Lucro da Vale cresce 76% no 3T com alta do minério de ferro e demanda chinesa

Forbes/Reprodução

A mineradora Vale teve lucro líquido de US$ 2,9 bilhões no terceiro trimestre, aumento de 76% ante o registrado no mesmo período do ano passado, com impulso de melhores preços do minério de ferro em meio à forte demanda da China, informou a companhia ontem (28).

O lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação (Ebitda) ajustado somou US$ 6,1 bilhões, versus US$ 4,6 bilhões no mesmo período do ano passado.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O desempenho também melhorou fortemente ante o segundo trimestre, quando o lucro somou US$ 995 milhões, e Ebitda ajustado US$ 3,37 bilhões. Mas o resultado líquido ficou abaixo da expectativa de US$ 3,76 bilhões, com base em dados da Refinitiv.

O Ebitda de Minerais Ferrosos, o principal negócio da empresa, totalizou US$ 5,86 bilhões no terceiro trimestre, ficando US$ 2,35 bilhões acima do segundo trimestre.

O preço realizado da Vale de finos de minério de ferro totalizou US$ 112,1 por tonelada, um aumento de US$ 23,2 quando comparado ao trimestre imediatamente anterior e também avanço na comparação com os US$ 89,2 do mesmo período do ano passado.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

De acordo com a empresa essa alta é resultado do aumento do preço de referência do ferro (62%) e curva de preço futura, devido a forte demanda chinesa.

A companhia comentou que a produção de aço da China totalizou 92,5 milhões de toneladas em setembro, atingindo um recorde de 781 milhões no acumulado dos nove primeiros meses do ano, um aumento de 4,5% em relação ao ano anterior.

Remuneração

A Vale teve um fluxo de caixa livre das operações de US$ 3,75 bilhões no terceiro trimestre, impulsionado principalmente pelo forte Ebitda, o que permitiu o pagamento de remuneração aos acionistas.

A empresa destacou que no terceiro trimestre o conselho de administração retomou a política de remuneração de acionistas, distribuindo um total de US$ 3,3 bilhões em retornos pelo desempenho da companhia no primeiro semestre e os juros sobre capital próprio anunciados em dezembro de 2019.

A mineradora apontou ainda que desembolsou US$ 332 milhões no trimestre relativos ao desastre de Brumadinho (MG), incluindo o programa de descaracterização, acordos, doações e despesas incorridas.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O valor das provisões encerrou o período totalizando US$ 3,1 bilhões, principalmente devido aos desembolsos feitos durante o ano no valor de US$ 863 milhões e ao impacto da desvalorização do real.

Os investimentos no terceiro trimestre totalizaram US$ 895 milhões, consistindo em US$ 110 milhões em execução de projetos e US$ 785 milhões em manutenção das operações.

Além disso, a companhia atualizou a projeção de investimentos em 2020, de US$ 4,6 bilhões para US$ 4,2 bilhões.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

A dívida líquida expandida atingiu US$ 14,4 bilhões até 30 de setembro, queda de US$ 844 milhões principalmente pelos menores compromissos relacionados a Brumadinho e Samarco & Fundação Renova. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).