Ásia forma maior bloco comercial do mundo

Acordo com 15 economias é apoiado pela China e exclui os Estados Unidos

Redação
Compartilhe esta publicação:
iStock
iStock

Acordo com 15 economias é apoiado pela China e exclui os Estados Unidos

Acessibilidade


Quinze economias da Ásia-Pacífico formaram o maior bloco de livre comércio do mundo no domingo (15), um acordo apoiado pela China e que exclui os Estados Unidos, país que deixou um grupo comercial rival na região sob o governo presidente Donald Trump.

A assinatura da Parceria Econômica Regional Abrangente (RCEP, na sigla em inglês) em uma cúpula regional de Hanói é mais um golpe para um grupo rival promovido pelo ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, do qual seu sucessor Trump saiu em 2017.

Em meio a questões sobre o envolvimento de Washington na Ásia, o RCEP pode cimentar a posição da China com mais firmeza como parceiro econômico do Sudeste Asiático, Japão e Coreia, colocando a segunda maior economia do mundo em melhor posição para moldar as regras comerciais da região.

Os Estados Unidos estão ausentes tanto do RCEP quanto do sucessor da Parceria Transpacífica liderada por Obama, deixando a maior economia do mundo de fora de dois grupos comerciais que abrangem a região de crescimento mais rápido do planeta.

O RCEP agrupa os 10 membros da Associação de Nações do Sudeste Asiático, China, Japão, Coreia do Sul, Austrália e Nova Zelândia. Ele visa reduzir progressivamente as tarifas em muitas áreas nos próximos anos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

(Por Khanh Vu e Phuong Nguyen; Reportagem adicional de James Pearson, Liz Lee, Gayatri Suroyo, Bernadette Christina Munthe, Hyonhee Shin, Neil Jerome Morales, Kaori Kaneko, Kirsty Needham, Gabriel Crossley, Roxanne Liu e Shivani Singh) (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Compartilhe esta publicação: