BC da Turquia eleva juros em 475 p.p. após mudanças no comando

boonchai / GettyImages
boonchai / GettyImages

Moeda turca chegou a subir cerca de 12% na semana passada

O banco central da Turquia elevou agressivamente sua taxa de juros em 475 pontos básicos hoje (19), para 15%, atendendo às expectativas depois que o presidente Tayyip Erdogan determinou um novo comandante para a autoridade monetária e prometeu uma postura econômica mais amigável ao mercado.

A lira subiu quase 1% depois que o comitê de política monetária do banco disse que sua medida de aperto “transparente e forte” vai reduzir a inflação de dois dígitos, reverter a tendência de dolarização e ajudar a reconstruir as reservas estrangeiras.

“O aperto da política monetária será decididamente sustentado até que seja alcançada uma queda permanente na inflação”, disse o comitê.

A elevação dos juros foi a mais forte em mais de dois anos e pode sustentar a lira após uma série de mínimas recordes, embora também possa desacelerar a recuperação econômica depois do coronavírus.

A moeda se firmou em 7,635 contra o dólar, contra cerca de 7,71 antes.

O banco elevou a taxa de recompra de uma semana de 10,25% antes, patamar em que estava desde setembro.

A lira chegou a subir cerca de 12% na semana passada depois que Naci Agbal foi nomeado novo presidente do banco central e o ministro das Finanças, genro de Erdogan, renunciou abruptamente.

Erdogan há tempos culpa os juros altos por causarem inflação e considera os investidores estrangeiros responsáveis pelas problemas econômicos.

Todos os 21 economistas em pesquisa da Reuters esperavam alta dos juros, com a mediana das projeções apontando 475 pontos. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).