Casa de análises de bitcoin levanta US$ 100 milhões e alcança avaliação de US$ 1 bilhão

Sucesso da Chainalysis no mercado financeiro pode começar uma nova era para os negócios com criptomoedas.

Michael del Castillo
Compartilhe esta publicação:
 KTSDESIGN/Getty Images
KTSDESIGN/Getty Images

Sucesso da Chainalysis no mercado financeiro pode começar uma nova era para os negócios com criptomoedas

Acessibilidade


Um novo unicórnio do bitcoin está prestes a nascer. Depois de dias de rumores circulando pela indústria de criptomoedas, a casa de análise Chainalysis confirmou exclusivamente para a Forbes que espera levantar US$ 100 milhões de capital de risco, alcançando uma avaliação de US$ 1 bilhão já na próxima semana. Liderada pela Addition (empresa de capital de risco liderada por Lee Fixel, vindo da Tiger Global), a rodada de Série C deve ser acompanhada por investidores conhecidos, como Accel, Benchmark e Ribbit.

Embora o CEO e cofundador da Chainalysis, Michael Gronager, tenha se recusado a compartilhar a receita real gerada pela empresa, a Forbes estima que o valor está em torno de US$ 8 milhões em 2018, e Gronager diz que seu faturamento aumentou cerca de 96% no ano passado. Com receita prevista para dobrar no próximo ano e novamente em 2022, o investimento é mais uma evidência de que há mais dinheiro a ser ganho em criptomoeda do que apenas comprando na baixa e vendendo na alta. Além de ajudar o Departamento de Justiça dos EUA a rastrear mais de US$ 1 bilhão em bitcoins e outras criptomoedas apreendidas no início deste mês, a Chainalysis agora conta com 350 clientes no total, incluindo governos estaduais e instituições privadas.

LEIA MAIS: Moedas digitais disparam com bitcoin perto de máxima

Como o bitcoin atingindo valores recordes, a Chainalysis, e sua filosofia de conformidade por código, está se tornando um símbolo dos obstáculos que os investidores têm de superar para obter exposição ao ativo alternativo e a oportunidade que esses mesmos investidores possuem. “Nós realmente mostramos que é possível construir uma empresa de software como serviço business to business de classe mundial servindo dados no espaço criptográfico”, diz Gronager, 50 anos. “E realmente ter controle sobre a parte de dados da criptografia.”

A Série C, que foi assinada por todas as contrapartes e aguarda a papelada final, seguirá uma Série B iniciada há apenas quatro meses, elevando o investimento total para US$ 166 milhões. Como parte do investimento, a empresa que atualmente emprega 200 pessoas planeja quase dobrar seu quadro de funcionários no próximo ano, incluindo contratações de política internacional, vendas e marketing e pesquisa e desenvolvimento. Em julho passado, a Forbes incluiu a Chainalysis como a primeira empresa de criptomoeda na lista Next Billion Dollar Startups, de apostas em unicórnios. O cofundador Jonathan Levin é membro da lista Forbes 30 Under 30 da Europa.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Atualmente, a empresa possui escritórios em Nova York, Singapura e Tóquio e aguarda o retorno das viagens aéreas para expandir sua presença internacionalmente e na capital norte-americana, onde a demanda regulatória está chegando ao pico. Na verdade, a demanda atingiu uma escala tão alta que, em julho, o ex-chefe de sanções do presidente dos EUA, Donald Trump, Sigal Mandelker, juntou-se ao conselho consultivo da Chainalysis como parte de um investimento de Série B.

Porém, e talvez o mais importante, a empresa diz que levantou muito mais dinheiro do que na rodada de Série B porque espera ter a oportunidade de comprar outra empresa. “Achamos que o momento, o mercado e a maturidade do espaço cripto oferecerão alguma consolidação, onde pode haver algum crescimento inorgânico que pode estar disponível”, disse Gronager.

Duzentos e cinquenta dos clientes da Chainalysis estão no setor privado, incluindo empresas como a gigante de pagamentos Square, com outros cem vindos de 30 jurisdições do setor público, incluindo o U.S. Internal Revenue Service. O total de clientes da empresa aumentou 65% no ano passado. Enquanto isso, a maioria das startups que estão crescendo a uma taxa de 40% ou mais estão longe de ser lucrativas. Gronager diz que o custo de operações atual da Chainalysis “basicamente não existe” e que a empresa está no caminho para ser lucrativa em breve. “Temos custos e despesas extremamente baixos e uma eficiência muito alta na empresa”, afirma Gronager. “Portanto, estamos quase chegando ao ponto de lucratividade.”

Claro, o simples fato de que a Chainalysis, uma empresa de segurança que ajuda a identificar fraudes, lavagem de dinheiro e outras práticas ilegais e ilícitas de usuários de criptomoedas, está entre os primeiros unicórnios da indústria, é mais uma evidência de por que tantos investidores institucionais permanecem relutantes em entrar nesse mercado. Apesar de várias empresas de alto perfil, incluindo JP Morgan e Citibank, recentemente adotarem um tom positivo em relação ao bitcoin, outras, como o financiador de hedge Ray Dalio, permanecem céticas. O principal investidor, Lee Fixel, descreveu a Chainalysis como “a plataforma de regulamentação financeira para o futuro dos ativos digitais”, em um comunicado.

LEIA TAMBÉM: Mercado de crédito privado deve absorver R$ 20 bi em vencimentos, diz XP

Na última sexta-feira (20), a Chainalysis publicou um relatório chamando 2020 de “o ano de adoção institucional do bitcoin”, mencionando especificamente o gerente de fundos de hedge Paul Tudor Jones e a Square como exemplos. No início da semana passada, a consultora financeira DeVere Group disse que 73% de seus cerca de 700 clientes milionários que responderam a uma pesquisa de criptomoeda disseram que já investiram ou vão investir nela até 2023. Isso é um aumento de 68% com relação ao ano passado. “À medida que mais empresas convencionais, como Paypal, começam a oferecer serviços de criptografia”, disse o sócio da Accel e investidor da Chainalysis, Philippe Botteri, em um comunicado, “esperamos uma aceleração ainda maior à frente.”

Cada vez mais, empresas de segurança como Chainalysis, Elliptic e a novata Clain, com sede na Rússia, estão fazendo mais do que apenas ajudar a identificar crimes após o fato, mas ajudando a evitá-los. Em agosto de 2019, a Chainalysis lançou o KYT (Know Your Transaction) para simplificar a análise de blockchain e, em julho de 2020, lançou o Market Intel para analisar trocas de criptomoedas. Coletivamente, esses dois serviços compõem o que Gronager chama de “conformidade por código”, ajudando a desencorajar fraudes e a estabelecer a base para uma adoção mais institucionalizada. “A maneira como você faz as coisas escalarem hoje em um departamento de conformidade não é contratando dez pessoas”, diz ele. “É chamando um desenvolvedor.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: