China mira gigantes de tecnologia com projeto de regras anti-monopólio

ZhangPeng/GettyImages
ZhangPeng/GettyImages

Medida que aumentará a vigilância sobre o comércio eletrônico e serviços de pagamento de empresas como o Alibaba

A China publicou hoje (10) um projeto de lei para evitar que plataformas de internet tenham comportamento monopolista, medida que aumentará a vigilância sobre o comércio eletrônico e serviços de pagamento de empresas como o Alibaba.

A Administração Estatal de Regulamentação do Mercado da China (SAMR), que publicou o projeto, disse que quer evitar que as plataformas dominem o mercado ou adotem métodos que visem a prejudicar a concorrência.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

As diretrizes fornecidas para plataformas de internet significam que as novas regras podem ser aplicadas a sites de comércio eletrônico, como o Taobao e o Tmall marketplace do Alibaba, ou o JD.com e serviços de pagamento como o Alipay do Ant ou o WeChat Pay da Tencent.

O projeto foi publicado após o Comitê de Estabilidade Financeira e Desenvolvimento da China sinalizar no mês passado a necessidade de melhorar mecanismos para garantir concorrência justa e pediu fortalecimento da aplicação da lei anti-monopólio.

Xie Wen, ex-presidente do Yahoo China que se tornou crítico do setor de tecnologia chinês, disse que a China já tinha evitado adotar uma linha dura para ajudar gigantes locais da tecnologia a crescer e competir com rivais norte-americanas. A maioria dessas empresas agora está impedida de entrar no mercado digital dos EUA.

Com o foco agora voltado para o mercado doméstico, Pequim estava se movendo para controlar essas empresas, disse ele. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).