Curva de rendimento não é afetada com ajuda de bancos, diz BC japonês

Masahiro Makino / GettyImages

Política chamada de controle da curva de rendimento determina a meta de juros de curto prazo em -0,1%

O novo esquema de alívio do banco central do Japão para credores regionais não afetará a política monetária, afirmou hoje (18) o presidente do Banco do Japão, Haruhiko Kuroda, rejeitando a visão de que o esquema pode dificultar que se alcance as metas de juros.

Em tentativa de melhorar a saúde dos bancos regionais do Japão, o banco central apresentou na semana passada um esquema segundo o qual pagará juros de 0,1% sobre os depósitos detidos pelos credores que cortem custos, aumentem os lucros ou consolidem.

Alguns analistas disseram que os juros de 0,1% pagos a credores pertinentes podem elevar as taxas do mercado monetário e afetar o controle do Banco do Japão sobre os juros de curto prazo.

Segundo a política chamada de controle da curva de rendimento, o banco central determina a meta de juros de curto prazo em -0,1% e a dos rendimentos dos títulos de 10 anos do governo em torno de 0%.

“O esquema não terá impacto sobre nossa política de controle da curva de rendimento”, disse Kuroda ao Parlamento quando questionado sobre o impacto do programa de alívio na política monetária.

“Adotamos esse esquema como política de prudência”, com o objetivo de garantir que as instituições financeiras permaneçam saudáveis o suficiente para canalizar fundos a tomadores de empréstimo, disse ele. “Não é algo executado como política monetária.” (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).