Economia do Reino Unido perde força mesmo antes de novo lockdown

Amer Ghazzal / GettyImages
Amer Ghazzal / GettyImages

Economia britânica cresceu 1,1% em setembro na comparação com agosto, ficando atrás de outros países em sua recuperação do choque da pandemia

A economia britânica cresceu 1,1% em setembro na comparação com agosto, abaixo do esperado mesmo antes das mais recentes restrições a empresas devido à Covid-19, ficando atrás de outros países em sua recuperação do choque da pandemia.

Analistas consultados pela Reuters esperavam que a expansão desacelerasse a 1,5% em setembro. Os dados oficiais desta quinta-feira destacam que a economia deve voltar a contrair conforme 2020 chega ao fim, em meio ainda à incerteza sobre um prazo de 31 de dezembro para o acordo do Brexit.

Entre julho e setembro, o Produto Interno Bruto cresceu um recorde de 15,5% sobre o trimestre anterior. Mas isso não foi suficiente para compensar as perdas de quase 20% no segundo trimestre, que incluiu o primeiro lockdown.

A economia está sendo impulsionada por mais de 200 bilhões de libras em gastos emergenciais e cortes de impostos determinados pelo ministro das Finanças, Rishi Sunak. Também ajuda o programa de compra de títulos do banco central britânico, agora ampliado para quase 900 bilhões de libras.

Apesar desses esforços, o Reino Unido, que passou de 50 mil mortes por coronavírus na quarta-feira, o número mais alto da Europa, sofreu a maior queda do PIB entre as principais economias listadas pela Agência para Estatísticas Nacionais.

Economistas dizem que isso aconteceu porque as medidas iniciais de lockdown duraram mais do que em outros países e tiveram um impacto particularmente forte sobre serviços, setor que compõe 80% da economia britânica.

O banco central britânico tem discutido o uso do controle da curva de rendimentos em sua busca por novas formas de aumentar o poder de fogo, mas há pouca necessidade disso no momento, disse o presidente da instituição, Andrew Bailey, hoje(12).

Com os juros próximos de zero e em meio a dúvidas sobre a eficácia de ainda mais compras de títulos pelo banco central, o Banco da Inglaterra tem revisado políticas heterodoxas, como taxas de juros negativas, e, agora, o controle da curva de rendimentos também.

Já usado no Japão e na Austrália, o controle da curva de juros significa que os bancos centrais tentam limitar os rendimentos dos títulos do governo em níveis que acreditam ajudar a economia e a cumprir sua meta de inflação. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).