França opera em queda de 12% sob novo lockdown, diz BC

Governo adotou o novo lockdown em 30 de outubro para conter o aumento nos novos casos, embora as restrições sejam mais suaves do que na primeira vez

Redação
Compartilhe esta publicação:
lupengyiu / GettyImages
lupengyiu / GettyImages

Governo adotou o novo lockdown em 30 de outubro para conter o aumento nos novos casos, embora as restrições sejam mais suaves do que na primeira vez

Acessibilidade


A atividade econômica da França está 12% abaixo do normal este mês depois de o país entrar em lockdown contra o coronavírus pela segunda vez este ano, disse o banco central francês hoje (09).

O governo adotou o novo lockdown em 30 de outubro para conter o aumento nos novos casos, embora as restrições sejam mais suaves do que na primeira vez para limitar o impacto sobre a segunda maior economia da zona do euro.

O Banco da França disse que como resultado a atividade econômica deve ser reduzida em 12% em relação aos níveis normais, pior que o recuo de 4% em outubro mas bem melhor do que as perdas de 31% vistas em abril, durante um dos mais rigorosos lockdowns na Europa.

“Antes da segunda onda pensávamos que teríamos uma recessão de um pouco menos de 9%, agora esperamos que durante todo o ano de 2020 ficaremos entre -9% de -10%”, disse o presidente do banco central francês, François Villeroy, na rádio RTL.

Para estimar o impacto do lockdown na economia, o banco central recorreu a sua pesquisa mensal com 8.500 líderes empresariais, realizada desta vez entre 28 de outubro e 4 de novembro e com 90% das respostas após o início do lockdown.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os serviços que exigem contato direto com os clientes devem ser os mais afetados, com queda estimada da atividade de 40% no varejo, atacado, transporte, e setor de hotelaria e restaurantes.

Por sua vez, as empresas do setor industrial esperam operar com perda de apenas 7% de sua atividade normal, enquanto que as de construção veem queda de 8%, disse o banco central. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Compartilhe esta publicação: