Governo estende prazo para implementação do open banking

Primeira etapa do processo, que deveria ser concluída até 30 de novembro, foi postergada para 1º de fevereiro

Redação
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Adriano Machado
REUTERS/Adriano Machado

Primeira etapa do processo, que deveria ser concluída até 30 de novembro, foi postergada para 1º de fevereiro

Acessibilidade


O Banco Central e o Conselho Monetário Nacional (CMN) decidiram alterar o cronograma de implementação do open banking, adiando o pontapé inicial para o processo – que é dividido em quatro fases – para fevereiro de 2021.

O open banking dará aos clientes de instituições financeiras o poder sobre seus dados cadastrais e de transações como meio de fomentar a competição e acesso a serviços mais baratos e melhores.

Até então, a primeira etapa do processo deveria ser concluída até 30 de novembro deste ano, o que foi postergado para até 1º de fevereiro de 2021.

Já o prazo para a última etapa do open banking, do compartilhamento de dados sobre produtos, serviços e transações, que era de 25 de outubro de 2021, passou para 15 de dezembro de 2022.

Mais cedo nesta semana, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, disse que a primeira fase do projeto “teve, em alguns casos, uma exaustão do processo tecnológico em alguns bancos”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Estamos trabalhando para ver como resolve, mas, independentemente do que aconteça na primeira fase ou na segunda, nós não mudamos o cronograma do open banking, ele vai ficar pronto no mesmo dia”, afirmou Campos Neto, em entrevista.

Em nota, o BC afirmou que com os esforços necessários para o combate à pandemia da Covid-19, o governo entendeu que foram impactados os processos de trabalho nas instituições participantes do open banking.

“Também foi levada em consideração a necessidade de adaptação de sistemas das instituições em razão de outras ações regulatórias, a exemplo do Pix e de registro de recebíveis de cartão”, acrescentou a autoridade monetária. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: