Ibovespa descola do exterior e tem melhor desempenho desde março

O Ibovespa descolou do exterior e fechou a sessão desta terça-feira (17) no lado positivo da tabela, ganhando 0,77% aos 107.248 pontos com suporte do alto volume de negociações da Vale e Petrobras no dia. O desempenho do índice brasileiro é o melhor desde 8 de março em meio a fluxo positivo de capital estrangeiro e repercussão benigna da temporada de balanços do terceiro trimestre.

Segundo a B3, o saldo de capital externo no segmento Bovespa em novembro até o dia 13 está positivo em R$ 17,8 bilhões. Investidores estrangeiros, segundo o analista Régis Chinchila, da Terra Investimentos, estão entrando na bolsa brasileira em busca de diversificação em emergentes, mesmo com cenário internacional mais pressionado o aumento de infecções por coronavírus.

O dólar fechou na mínima em dois meses frente ao real, perdendo 1,99% e negociado a R$ 5,33 na venda. Na semana, o dólar acumula recuo de 2,6%. A moeda brasileira teve o melhor desempenho global nesta sessão, amparada por expectativas de suporte do Banco Central. Em comunicado divulgado na noite de ontem, a autoridade monetária se comprometeu a realizar operações para rolagem integral dos swaps com vencimento em janeiro de 2021, mas adicionou que poderia “recalibrar o montante ofertado, conforme as condições de mercado”.

A referência foi tida como uma indicação de que o BC pode fazer ofertas líquidas desses contratos, o equivalente a uma venda de dólares no mercado futuro. Com novos swaps, a entidade aumentaria a liquidez em moeda estrangeira, diminuindo a pressão sobre a cotação do dólar.

Ainda no cenário doméstico, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, reafirmou hoje que há tranquilidade em relação à inflação. “O Banco Central está olhando, está monitorando e entendemos que grande parte do movimento recente é temporal”, disse ele, ao falar em evento organizado pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

Campos Neto voltou a avaliar que uma parte do movimento inflacionário é ligada à alta do câmbio, com outra parte advinda dos efeitos na economia da concessão do auxílio emergencial e também do impacto nos preços do chamado efeito substituição, com os brasileiros consumindo menos serviços em meio à pandemia e direcionando seus gastos à alimentação em domicílio.

No exterior, os índices em Wall Street tiveram um dia de realização de lucros após o rally nos preços registrado ontem com o anúncio de avanços em uma vacina experimental da Moderna. O Dow Jones recuou 0,56% no dia, seguido de queda de 0,48% no S&P 500 e perda de 0,21% no Nasdaq Composite. Já os papéis da Moderna perderam 4,88% hoje, mas ainda acumulam ganho de 21% em sete dias. (Com Reuters)

DESTAQUES DO IBOVESPA

Maiores Altas
CVCB3: +9,21% a R$ 16,01
HYPE3: +7,14% a R$ 31,66
EGIE3: +4,88% a R$ 45,74
BRFS3: +3,50% a R$ 20,68
BRAP4: +3,23% a R$ 50,24

Maiores Baixas
MRVE3: -3,64% a R$ 20,13
SUZB3: -3,37% a R$ 51,30
GNDI3: -2,88% a R$ 71,85
NTCO3: -1,78% a R$ 50,09
KLBN11: -1,78% a R$ 23,69

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).