Ibovespa mergulha com risco fiscal de volta aos holofotes

Com aversão ao risco, dólar dispara 1,14% para R$ 5,47

Ana Paula Pereira
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa fechou o dia em forte queda, recuando 2,20% aos 102.507 pontos com investidores acompanhando o sentimento negativo do exterior diante da segunda onda do coronavírus e com preocupações no cenário doméstico quanto ao risco fiscal. Hoje, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o plano do governo para o auxílio emergencial é encerrá-lo ao fim deste ano, mas alertou que, caso haja uma segunda onda de Covid-19 no país, o auxílio deverá ser mantido e um novo estado de calamidade pública deverá ser decretado.

As preocupações com o futuro das contas públicas somadas à aversão global ao risco fizeram o dólar disparar 1,14% e fechar em R$ 5,47 no dia, com o real registrando o pior desempenho entre as moedas emergentes.

“O que desanima é que não se vê concretamente nenhum movimento claro na direção de resolução dos problemas das contas públicas”, afirmou em entrevista à agência Reuters Joaquim Kokudai, gestor na JPP Capital.

Em Wall Street, os principais índices acionários fecharam a sessão no vermelho em correção técnica passada a euforia com o anúncio de avanços positivos em uma vacina contra a covid-19. O Dow Jones teve queda de 1,08%, o S&P 500 perdeu 1% e o Nasdaq Composite fechou em baixa de 0,65%, após abrir a sessão com ganhos.

O avanço das contaminações por coronavírus nos EUA também pesou sobre o humor do mercado. Apenas ontem, o país registrou 114 mil novas infecções. Em Washington, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, afirmou que “os próximos meses podem ser desafiadores”, o que corroborou o viés mais vendedor no mercado.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Nos indicadores, dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados nesta manhã mostram que o setor de serviços cresceu 1,8% na passagem de agosto para setembro, o quarto resultado positivo consecutivo. O ganho acumulado de 13,4% nesse período, no entanto, ainda é insuficiente para compensar as perdas de 19,8% acumuladas de fevereiro a maio. Já nos EUA, o número de novos pedidos de auxílio-desemprego caiu para uma mínima em sete meses na semana passada, para 709 mil solicitações. Apesar da queda, o patamar é ainda elevado.

DESTAQUES DO IBOVESPA

Maiores Altas
TAPE11: +3,10% a R$ 31,57
HAPV3: +1,97% a R$ 69,85
BTOW3: +1,51% a R$ 75,86
KLBN11: +0,91% a R$ 23,40
EGIE3: +0,72% a R$ 43,60

Maiores Baixas
AZUL4: -6,38% a R$ 27,90
GOLL4: -5,92% a R$ 19,06
VVAR3: -5,73% a R$ 17,76
CCRO3: -5,72% a R$ 11,70
RAIL3: -5,19% a R$ 19,00

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: