Índia dificulta importação de iPhones e dispositivos feitos na China

NurPhoto/GettyImages
NurPhoto/GettyImages

Os pedidos para a agência de controle de qualidade no país estão levando até dois meses ou mais para serem processados

O rígido controle da Índia sobre as autorizações de qualidade para produtos eletrônicos da China desacelerou a importação do iPhone 12 no mês passado, além de outros produtos fabricados por empresas como Xiaomi, de acordo com duas fontes da indústria.

Os pedidos para a agência de controle de qualidade, o Bureau of Indian Standards (BIS), costumavam ser processados em 15 dias, mas alguns agora estão levando até dois meses ou mais.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O BIS começou a atrasar as aprovações em agosto para importações chinesas de dispositivos como smartphones, smartwatches e laptops, parte das consequências da deterioração das relações com a China após um confronto em junho que deixou 20 soldados indianos mortos.

Desde o confronto, a Índia endureceu as regras para investimentos da China e proibiu centenas de aplicativos móveis chineses, incluindo das gigantes da tecnologia Tencent, Alibaba e ByteDance. O país baniu mais 43 aplicativos na terça (24).

Quando o iPhone 12 foi atingido pelos atrasos, os executivos da Apple Índia pediram ao BIS para acelerar a aprovação, dando garantias de que a empresa continuará a expandir operações de produção na Índia, disseram as duas fontes ouvidas pela Reuters.

Até quarta, 1.080 pedidos feitos ao BIS para aprovações de notebooks, tablets e outros dispositivos estavam pendentes, com 669 deles esperando há pelo menos 20 dias, de acordo com o site da agência. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).