Líderes da Ásia-Pacífico pedem livre comércio para recuperação econômica

 Anadolu Agency/GettyImages
Anadolu Agency/GettyImages

Líderes das 21 nações que formam a Cooperação Econômica Apec disseram que não recorreriam a políticas comerciais protecionistas

Os líderes da região da Ásia-Pacífico deixaram de lado hoje (20) suas diferenças sobre comércio e emitiram seu primeiro comunicado conjunto em três anos, pedindo um comércio livre e previsível para ajudar a apoiar a economia global, afetada pela pandemia de coronavírus.

Líderes das 21 nações que formam a Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec, na sigla em inglês), incluindo o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o presidente da China, Xi Jinping, também disseram que não recorreriam a políticas comerciais protecionistas.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

A declaração conjunta, emitida após uma cúpula virtual organizada pela Malásia, surge em meio a tensões comerciais entre as duas maiores economias do mundo, os EUA e a China.

“O impacto da guerra comercial (EUA-China) foi eclipsado pela pandemia de Covid-19”, disse o primeiro-ministro da Malásia, Muhyiddin Yassin, a repórteres após a reunião dos líderes. “A Apec também se comprometeu a não retroceder e recorrer a medidas protecionistas, de forma a manter os mercados e as fronteiras abertas”, afirmou.

No comunicado conjunto, os líderes disseram reconhecer “a importância de um ambiente de comércio e investimento livre, aberto, justo, não discriminatório, transparente e previsível” para impulsionar o crescimento durante a crise.

Os países da Apec não conseguiram chegar a um acordo em 2018, depois que as negociações foram atrapalhadas por desacordos sobre comércio e investimento entre os Estados Unidos e a China, e o encontro do ano passado no Chile foi cancelado devido a violentos protestos de rua. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).