Lucro da AES Tietê cai 47,3% no 3º tri

Empresa obteve lucro líquido de R$ 51,1 milhões no terceiro trimestre, queda de 47,3% ante mesmo período do ano anterior

Redação
Compartilhe esta publicação:

Forbes/Reprodução

Acessibilidade


A AES Tietê teve lucro líquido de R$ 51,1 milhões no terceiro trimestre, queda de 47,3% ante mesmo período do ano anterior, informou a elétrica ontem (05).
O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda), no entanto, cresceu 22,3% no período, para R$ 311,7 milhões, enquanto a receita líquida teve leve queda de 0,3%, para R$ 509,4 milhões.

Segundo a companhia, o lucro trimestral foi impactado pela variação da despesa financeira, diante de atualização monetária de R$ 101 milhões do passivo dos riscos hidrológicos (conhecidos pela sigla GSF).

Há expectativas, porém, de que o cenário seja revertido com a resolução do passivo, que permitirá reconhecer na margem líquida o valor de ressarcimento pelos custos incorridos referente aos custos não hidrológicos, disse a elétrica.

“O terceiro trimestre foi marcado pela acertada estratégia comercial e de gestão ativa do portfólio e pelo nosso compromisso na diligência de nossos custos e despesas. Como resultado, tivemos um crescimento expressivo da margem líquida e Ebitda e manutenção das nossas despesas operacionais, mesmo com o crescimento de nosso portfólio”, disse a diretora financeira da empresa, Clarissa Sadock.

A AES Tietê, controlada pela norte-americana AES, tinha dívida líquida de R$ 2,8 bilhões no fim do terceiro trimestre, queda de 4,8% em relação a igual período de 2019.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A geração de energia por fonte hídrica caiu 16,1% no trimestre, para 2.382 GWh. Na eólica, houve alta de 4,6% para 508,6 GWh, e nas fontes solares, avanço de 54,3%, a 153,5 GWh. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Compartilhe esta publicação: