Mercado eleva perspectiva para Selic em 2021

SEAN GLADWELL / GettyImages
SEAN GLADWELL / GettyImages

Mercado vê contração do PIB de 4,55% em 2020, com um crescimento de 3,45% para 2021

O mercado elevou a perspectiva para a taxa de juros no ano que vem em meio a novo aumento nas estimativas de inflação, enquanto o cenário para a economia voltou a melhorar.

A pesquisa semanal Focus divulgada pelo Banco Central hoje (23) mostrou que os economistas consultados passaram a ver agora a Selic em 2021 a 3,0%, de 2,75% antes. Para este ano, permanece a previsão de manutenção no atual patamar de 2,0% na última reunião do ano, em 8 e 9 de dezembro.

O Top-5, grupo dos que mais acertam as previsões, manteve a perspectiva de juros básicos a 2,0% este ano, mas também aumentou as contas para 2021, de 2,25% a 2,50%.

O levantamento apontou que a expectativa para a alta do IPCA em 2020 aumentou pela 15ª semana seguida e foi a 3,45%, de 3,25% na semana anterior. Para 2021, o aumento chegou à 5ª semana, com a inflação calculada em 3,40% de 3,22%.

O centro da meta oficial de 2020 é de 4% e, de 2021, de 3,75%, ambos com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

Para o Produto Interno Bruto (PIB), as estimativas melhoraram para ambos os anos. O mercado vê agora contração econômica de 4,55% em 2020 contra queda de 4,66% estimada antes, com o PIB recuperando-se com um crescimento de 3,40% no próximo ano, de 3,31%.

A mudança vem na esteira de cenário melhor para a indústria, cuja produção deve encolher 5,04% este ano contra recuo de 5,34% previsto antes, passando a crescer 4,53% em 2021, de 3,72% estimado antes. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).