Ministério da Economia melhora estimativas fiscais para 2020

A expectativa passou a ser de déficit primário do governo central de R$ 844,3 bilhões, ou 11,7% do PIB

Redação
Compartilhe esta publicação:
Nelson A Ishikawa/GettyImages
Nelson A Ishikawa/GettyImages

A expectativa passou a ser de déficit primário do governo central de R$ 844,3 bilhões, ou 11,7% do PIB

Acessibilidade


O Ministério da Economia atualizou nesta terça (24) suas estimativas fiscais para 2020, melhorando os números após passar a considerar uma retração da economia de 4,5% este ano.

Em suas projeções anteriores, de 30 de outubro, a pasta havia incorporado um tombo de 4,98% para o PIB, extraído do boletim Focus. Agora, utilizou parâmetros internos do ministério, divulgados na semana passada pela Secretaria de Política Econômica.

A expectativa passou a ser de déficit primário do governo central de R$ 844,3 bilhões, ou 11,7% do PIB, contra R$ 880,5 bilhões, ou 12,3% do PIB, antes.

Para o setor público consolidado, o governo prevê agora um rombo primário de R$ 856,7 bilhões, equivalente a 11,9% do PIB. Anteriormente, o déficit havia sido calculado em R$ 905,4 bilhões, ou 12,7% do PIB.

A dívida bruta deve encerrar o ano em 94,4% do PIB (96,0% antes), e a dívida líquida em 66,5% do PIB (68,2% antes).

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Ainda que estejam menores, todos os números são recordes e refletem o forte desequilíbrio das contas públicas brasileiras, situação exponencialmente agravada neste ano em função dos vultosos gastos do governo com o enfrentamento à pandemia de Covid-19.

Em participação em comissão do Congresso onde apresentou os números, o secretário especial da Fazenda, Waldery Rodrigues, reafirmou que o teto de gastos é “superâncora fiscal” e uma “referência importantíssima para seguirmos no caminho do equilíbrio”, razão pela qual o governo defende sua manutenção. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: