Preços do petróleo têm maior nível desde março com testes de vacina e transição de Biden

Na segunda-feira, a AstraZeneca disse que sua vacina contra a Covid-19 foi 70% efetiva em testes e pode ter eficácia de até 90%

Redação
Compartilhe esta publicação:
Tang Ming Tung/GettyImages
Tang Ming Tung/GettyImages

Na segunda-feira, a AstraZeneca disse que sua vacina contra a Covid-19 foi 70% efetiva em testes e pode ter eficácia de até 90%

Acessibilidade


Os preços do petróleo avançaram cerca de 4% nesta terça (24), atingindo os maiores níveis desde março, após uma terceira vacina promissora contra o coronavírus gerar esperanças de recuperação na demanda por combustíveis e o presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, iniciar sua transição para a Casa Branca.

O petróleo Brent fechou em alta de US$ 1,80, ou 3,9%, a US$ 47,86 por barril, enquanto o petróleo dos EUA teve ganho de US$ 1,85, ou 4,3%, para US$ 44,91 o barril.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Ambos os valores de referência registraram o mais alto nível de fechamento desde 5 de março.

Na segunda-feira, a AstraZeneca disse que sua vacina contra a Covid-19 foi 70% efetiva em testes e pode ter eficácia de até 90%, dando à luta contra a pandemia mais uma potencial solução, após resultados positivos da Pfizer-BioNTech e Moderna.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“O complexo petróleo está operando com base na vacina”, disse John Kilduff, sócio da Again Capital em Nova York. “Até que possamos ver o outro lado da pandemia, o mercado seguirá atolado na demanda fraca.”

Além disso, as escolhas iniciais de Joe Biden para assessorá-lo na Presidência dos EUA, após o governo de Donald Trump liberar os recursos de transição, ajudaram a impulsionar os futuros do petróleo e os mercados de ações. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: