Desemprego não será revertido rapidamente, diz Campos Neto

O quadro, segundo o presidente do BC, implica necessidade de mais programas sociais pelo governo, o que significa um aumento da dívida.

Redação
Compartilhe esta publicação:
OrbonAlija/GettyImages
OrbonAlija/GettyImages

O quadro, segundo o presidente do BC, implica necessidade de mais programas sociais pelo governo, o que significa um aumento da dívida

Acessibilidade


O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, avaliou hoje (9) que a retomada econômica do país é “robusta”, mas ponderou que a reversão do desemprego não será rápida, já que o avanço da tecnologia durante a crise do coronavírus impactará a alocação dos trabalhadores, especialmente dos informais.

Ao participar do Greenwich Economic Forum 2020, promovido pela The Economist, ele avaliou que a aceleração da tecnologia por trás da recuperação foi tão veloz que não deu tempo aos informais para serem alocados em outras atividades.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

“Acho que vamos atingir um novo equilíbrio, na minha opinião, em que teremos mais empresas de tecnologia tirando empregos, especialmente informais. Isso já está acontecendo no setor de serviços no Brasil e em muitos outros países emergentes”, afirmou.

O quadro, segundo o presidente do BC, implica necessidade de mais programas sociais pelo governo, o que significa um aumento da dívida. No entanto, ele lembrou que, no caso brasileiro, não há espaço fiscal para essa dinâmica durar muito mais.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Durante sua participação, Campos Neto destacou que a existência de uma vacina eficaz contra o coronavírus será crítica e citou a reação dos mercados, logo nos primeiros negócios nesta segunda (9). Mais cedo, a Pfizer disse que a vacina experimental contra a Covid-19 que está desenvolvendo com a BioNTech mostrou ser 90% eficaz na prevenção da doença com base em dados iniciais de um estudo amplo.

Reservas internacionais

Ao ser questionado sobre o eventual uso da linha de swap com o Federal Reserve, o BC norte-americano, Campos Neto disse que não há expectativa de utilização da linha.

“O Brasil tem cerca de US$ 350 bilhões em reservas. E, por conta da desvalorização (cambial), as reservas como proporção do PIB cresceram muito nos últimos tempos. Então não achamos que vamos precisar usar, (mas) eu acho que é sempre bom ter”, pontuou. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: