Tesla amplia rali antes de inclusão no S&P 500

REUTERS/Mike Blake
REUTERS/Mike Blake

A empresa agora vale cinco vezes mais do que a GM e a Ford juntas, com um valor de mercado de cerca de US$ 500 bilhões

As ações da Tesla subiam mais de 6% nesta segunda (23), aproximando-se de um valor de mercado de US$ 500 bilhões e ampliando a valorização para 27% desde a notícia da semana passada de que a montadora fará parte do S&P 500 em dezembro, forçando fundos de índice a comprar bilhões de dólares de suas ações.

Com um aumento de cerca de 500% em 2020, a Tesla se tornou de longe a montadora mais valiosa do mundo, apesar de sua produção ser uma fração do que produz a Toyota, Volkswagen e General Motors.

A Tesla agora vale cinco vezes mais do que a GM e a Ford juntas, e a mais recente alta nas ações da montadora do Vale do Silício veio depois que o analista da Wedbush, Daniel Ives, aumentou seu preço-alvo de US$ 500 para US$ 560.

Embora tenha mantido sua classificação neutra, Ives também disse que a ação poderia atingir US$ 1.000 em um ‘bull market’, refletindo a demanda mais forte por veículos elétricos nos próximos anos.

No entanto, o preço-alvo médio dos analistas que cobrem as ações é de US$ 385, bastante abaixo dos cerca de US$ 520 em que a ação era negociada nesta segunda-feira, refletindo a crença entre muitos em Wall Street de que as ações da Tesla estão supervalorizadas.

Os fundos que espelham o S&P 500 terão que comprar mais de US$ 50 bilhões em ações da Tesla antes de sua inclusão no índice em 21 de dezembro, e o Goldman Sachs estimou na semana passada que fundos mútuos com gestão ativa poderiam comprar outros US$ 8 bilhões. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).