Bolsas norte-americanas têm leve correção em último pregão do ano

John Lamparski_GettyImages

O mercado de ações em Nova York abre o dia em leve queda, com investidores realizando parte dos robustos lucros das últimas semanas. Às 11h57, horário de Brasília, o Dow Jones perdia 0,11%, o S&P 500 recuava 0,07% e o Nasdaq tinha queda de 0,27%. No horizonte, no entanto, seguem as perspectivas ainda positivas para a recuperação econômica dos EUA. Além da recente aprovação do novo pacote de estímulo econômico, a expectativa é de mais injeções de recursos na maior economia do mundo sob a administração Joe Biden, que toma posse no próximo dia 20.

Dados divulgados nesta manhã revelam uma pequena retração no número de pedidos semanais de seguro desemprego nos EUA, para 787 mil solicitações na semana encerrada em 26 de dezembro, ante 806 mil na semana anterior. Embora os pedidos tenham caído de um recorde de 6,867 milhões em março, eles continuam persistentemente acima do pico de 665 mil ocorrências registradas durante a recessão de 2007-2009

Na Europa, as Bolsas renovam o movimento de realização de lucros iniciado ontem, enquanto na Ásia o sentimento positivo para 2021 impulsionou fechamentos no azul no último pregão de 2020. O índice de blue chips da China, Shanghai Composite, terminou o dia com valorização de 1,72%.

Segundo informações divulgadas hoje pela Agência Nacional de Estatísticas do país, a atividade fabril chinesa cresceu em dezembro, com a forte demanda de exportação alimentando a recuperação, embora os custos mais altos de mão-de-obra e transporte tenham desacelerado o ritmo de expansão. O Índice Gerente de Compras (PMI, na sigla em inglês) oficial de indústria da China ficou em 51,9 em dezembro, ante 52,1 em novembro.

No Brasil, as negociações na B3 serão retomadas na próxima segunda-feira, 4 de janeiro.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).