China deve desacelerar importações de carne em 2021, diz Rabobank

istock / GettyImages
istock / GettyImages

País responde por um quarto do comércio global de carne

O crescimento das importações de carne pela China deverá desacelerar para um ritmo abaixo de 20% no próximo ano, disse uma importante analista hoje (08), em meio a uma menor oferta da Austrália, importante exportadora, e com o aumento da produção doméstica de carne suína.

A China, que responde por um quatro do comércio global de carne, tem expandido rapidamente suas importações nos últimos anos, com salto de 60% nos embarques no ano passado, para 1,66 milhão de toneladas, enquanto neste ano as compras aumentaram 40% até o momento.

Mas as importações da China junto a seu terceiro maior fornecedor, a Austrália, devem cair em meio a uma menor produção e às maiores tensões políticas entre os países, disse a analista Pan Chenjun, do banco holandês Rabobank, que também atua em consultoria no setor agrícola.

A China suspendeu seis frigoríficos australianos de seu mercado até o momento no ano, citando motivos como questões relacionadas a embalagens.

“Por esse motivo, eu acredito que o crescimento das importações da China não será tão forte como nos dois anos anteriores, e talvez fique abaixo de 20%”, afirmou ela.

A oferta chinesa de carne suína também está se recuperando “muito mais rápido que o esperado” após o rebanho de suínos do país, o maior do mundo, ter sido devastado por uma epidemia de peste suína africana. (Com Reuters)


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).