Conheça os bilionários que mais ganharam - e os que mais perderam - em 2020

Dos mais de 2.200 integrantes da lista da Forbes, 60% ficaram mais ricos e 36% mais pobres .

Ariel Shapiro
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Juntos, bilionários que mais enriqueceram em 2020 acumularam US$ 310,5 bilhões em ganhos

Acessibilidade


Este foi um ano difícil para muita gente. O mundo atingiu a marca de 1,6 milhão de mortes causadas pela Covid-19 – 300 mil delas apenas nos Estados Unidos – e medidas de contenção causaram imensas perdas econômicas e altos índices de desemprego. Mas alguns bilionários se saíram muito bem. Em 2020, 60% dos 2.200 integrantes da lista da Forbes ficaram ainda mais ricos, enquanto 36% perderam dinheiro. Juntos, os cinco homens mais ricos do mundo acrescentaram cerca de US$ 310,5 bilhões a seus patrimônios.

Ninguém teve um ano melhor do que Elon Musk. O CEO da Tesla começou 2020 com uma fortuna avaliada em US$ 26,6 bilhões. Desde então, a empresa de carros elétricos tem quebrado as expectativas dos analistas sobre a demanda por esse tipo de veículo e animado investidores interessados nesse tipo de tecnologia. A S&P 500 anunciou que a Tesla seria incorporada ao índice em dezembro de 2021. As ações da empresa aumentaram sete vezes ao longo do ano e, em 11 dezembro, o patrimônio de Musk atingia US$ 136,9 bilhões, tornando-o a terceira pessoa mais rica do mundo.

LEIA TAMBÉM: Bilionários do mundo ficam US$ 1,9 trilhão mais ricos em 2020

As únicas duas pessoas mais ricas que Musk também não se saíram mal. Jeff Bezos, cujo patrimônio é de US$ 182,2 bilhões, ficou US$ 67,5 bilhões mais rico ao mesmo tempo em que os consumidores se tornaram cada vez mais dependentes das entregas da Amazon. Em agosto, Bezos se tornou a primeira pessoa da história a ter uma fortuna de mais de US$ 200 bilhões. As ações da empresa caíram 10%, mas continuam registrando alta de 69% no ano, o que é bem mais do que a média das empresas presentes na S&P 500 (13,4%) e no Dow Jones Industrial Average (5,3%). Já o patrimônio do conglomerado de luxo LVMH, Bernard Arnault, aumentou US$ 35 bilhões e chegou aos US$ 146,3 bilhões. No início da pandemia, o grupo apresentou queda nas vendas, mas logo se recuperou, principalmente entre marcas mais tradicionais como Dior e Louis Vuitton.

Enquanto os ganhos em 2020 foram imensos, as perdas foram mais discretas. Entre os bilionários que viram seus patrimônios diminuírem estão Carlos Slim Helu, da área de telecomunicações, e Sheldon Adelson, o magnata dos cassinos. Cada um deles ficou cerca de US$ 5 bilhões mais pobre em 2020. Combinadas, as fortunas dos bilionários que perderam somam US$ 23,7 bilhões.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Forbes analisou a fortuna de mais 2.200 bilionários entre 31 de dezembro de 2019 e 11 de dezembro de 2020. Os ganhos e perdas foram calculados em números absolutos e apenas bilionários com investimentos em empresas de sociedade aberta foram considerados.

Veja, na galeria de fotos a seguir, quem foram os principais ganhadores e o perdedores em 2020:

  • MAIORES GANHADORES

    Elon Musk

    País: Estados Unidos
    Ganho: US$ 110,3 bilhões
    Patrimônio: US$ 136,9 bilhões

    Em 2020, Musk foi a pessoa que teve o maior ganho no período analisado pela Forbes. Devido à performance extraordinária da Tesla, o empresário foi beneficiado ao receber as quatro primeiras parcelas de seu pacote de remuneração de 12 parcelas. Desde maio, ele foi premiado com opções de ações no valor de US$ 27,5 bilhões. A SpaceX também está indo muito bem. Em maio, a empresa de exploração espacial lançou a primeira missão tripulada norte-americana desde 2011. Em novembro, recebeu permissão da NASA para enviar astronautas para a International Space Station. Um mês depois, foi executada a primeira missão desse tipo. A Forbes estima que a participação de Musk da SpaceX seja avaliada em US$ 20 bilhões.

    Reprodução/Forbes
  • 5. Jeff Bezos

    Fortuna: US$ 194,7 bilhões (aumento de US$ 7,7 bilhões)
    País:Estados Unidos
    Fonte da riqueza:Amazon

    Reprodução/Forbes
  • Zhong Shanshan

    País: China
    Ganho: US$ 60,5 bilhões
    Patrimônio: US$ 62,5 bilhões

    Shanshan teve um crescimento significativo no grupo dos bilionários graças a duas iniciativas de ofertas públicas. Ele é fundador e presidente da Nongfu Spring, empresa de água engarrafada que tem cerca de um quinto do mercado chinês. A empresa foi para a bolsa em setembro com ações a US$ 2,77 e, em 11 de dezembro, já tinha quase dobrado esse valor. O executivo também controla a fabricante de vacinas Beijing Wantai Biological Pharmacy, que foi a público em abril. A empresa desenvolveu um spray nasal para Covid-19 que estava na segunda fase de testes em novembro. Em 11 de dezembro, a Wantai negociava seus papéis a valores 15 vezes mais altos do que na época do IPO.

    Divulgação
  • Dan Gilbert

    País: Estados Unidos
    Ganho: US$ 37,1 bilhões
    Patrimônio: US$ 43,9 bilhões

    Gilbert, que é o cofundador da Quicken Loans, empresa de empréstimos hipotecários online, também se beneficiou de um grande IPO este ano. A controladora Rocket Companies foi à bolsa em agosto. Gilbert detém 95% da empresa, que valia mais de US$ 41 bilhões em 11 de dezembro. Ele também é o proprietário do time esportivo mais rico do país, o Cleveland Cavaliers da NBA.

    Getty Images/Drew Angerer
  • Bernard Arnault

    País: França
    Ganho: US$ 35 bilhões
    Patrimônio: US$ 146,3 bilhões

    Mesmo em um ano conturbado para o conglomerado de luxo francês, a fortuna de Arnault aumentou mais de 30%. A LVMH abandonou brevemente o plano de compra da Tiffany & Co. quando a pandemia começou, antes de entrar em um acordo com o varejista de diamantes e adquirir a empresa por US$ 15,8 bilhões em outubro, US$ 400 milhões a menos do que a proposta inicial. As vendas do mercado de luxo ainda estão baixas, mas a LVMH surpreendeu investidores quando registrou aumento nas linhas de bolsas da Louis Vuitton e da Dior, especialmente na Coreia do Sul e na China. Esses valores convertidos em euros fazem de Arnault a segunda pessoa mais rica do mundo.

    Reprodução/Forbes
  • MAIORES PERDEDORES

    Carlos Slim Helu

    País:México
    Perda: US$ 5 bilhões
    Patrimônio: US$ 58,2 bilhões

    Helu e sua família controlam a América Móvil, maior empresa de telecomunicações da América Latina. Mesmo que o negócio tenha se mantido relativamente estável durante a pandemia, o patrimônio do bilionário caiu com a desvalorização da moeda mexicana. Comparado ao dólar norte-americano, o peso mexicano caiu 26% em março. A moeda se recuperou, mas ainda vale 5% menos do que valia no final de 2019.

    Getty Images/Carlos Tischler
  • Sheldon Adelson

    País: Estados Unidos
    Perda: US$ 5 bilhões
    Patrimônio: US$ 35,1 bilhões

    Foi um ano difícil para a indústria de jogos de apostas e o patrimônio do magnata dos cassinos Sheldon Adelson sofreu um baque. Ele é presidente e CEO do Las Vegas Sands, que possui propriedades na região, como The Venetian e The Palazzo, que foram temporariamente fechadas em dezembro. Em comparação ao ano anterior, mesmo com o aumento do turismo doméstico, a receita da companhia diminuiu 82% durante o terceiro trimestre. O futuro promete melhoras, já que em 11 de dezembro a empresa registrou um aumento de 18% nas ações comparado a outubro, graças às notícias promissoras sobre vacinas contra o coronavírus.

    Getty Images/Shahar Azran
  • Sun Hongbin

    País: China
    Perda: US$ 4,8 bilhões
    Patrimônio: US$ 8,1 bilhões

    Não é um bom momento para fazer parte dos negócios de parques temáticos. A pandemia forçou o fechamento desses centros de entretenimento, depois restringiu seu funcionamento e ainda obrigou a implementação de medidas de segurança após a reabertura. A Sunac China Holdings, empresa do ramo imobiliário fundada e presidida por Sun Hongbin, comprou os parques temáticos do Dalian Wanda Group em 2017. Em 11 de dezembro, as ações da empresa mostravam queda de 40% no ano, diminuindo em um terço o patrimônio de Hongbin.

    Getty Images//South-China-Morning-Post
  • Hui Ka Yan

    País:China
    Perda:US$ 4,6 bilhões
    Patrimônio: US$ 27,7 bilhões

    Hui Ka Yan é presidente do Evergrande Group, um dos maiores desenvolvedores imobiliários da China. No relatório de resultados do meio do ano, a companhia revelou que tem US$ 128 bilhões em dívidas, acumuladas pelo grande gasto com a compra de terras e pela construção de uma unidade de carros elétricos. A empresa tentou levantar caixa no início deste mês com uma nova marca, mas obteve uma resposta morna. Em 11 de dezembro, as ações da Evergrande acumulavam baixa de 22% no ano.

    Getty Images/South-China-Morning-Post
  • Harold Hamm

    País: Estados Unidos
    Perda:US$ 4,3 bilhões
    Patrimônio:US$ 5,6 bilhões

    Hamm, presidente e CEO da produtora independente de petróleo Continental Resources, perdeu mais de 43% de sua fortuna desde o começo do ano. A indústria petroleira está em um momento turbulento desde o início da pandemia. Lockdowns e restrições de viagens levaram à diminuição de viagens e de pessoas dirigindo, o que causou uma queda na demanda pelo recurso. As ações da empresa se recuperaram parcialmente, mas ainda apresentam diminuição de 45% na comparação com o início do ano.

    Getty Images/The Washington Post

MAIORES GANHADORES

Elon Musk

País: Estados Unidos
Ganho: US$ 110,3 bilhões
Patrimônio: US$ 136,9 bilhões

Em 2020, Musk foi a pessoa que teve o maior ganho no período analisado pela Forbes. Devido à performance extraordinária da Tesla, o empresário foi beneficiado ao receber as quatro primeiras parcelas de seu pacote de remuneração de 12 parcelas. Desde maio, ele foi premiado com opções de ações no valor de US$ 27,5 bilhões. A SpaceX também está indo muito bem. Em maio, a empresa de exploração espacial lançou a primeira missão tripulada norte-americana desde 2011. Em novembro, recebeu permissão da NASA para enviar astronautas para a International Space Station. Um mês depois, foi executada a primeira missão desse tipo. A Forbes estima que a participação de Musk da SpaceX seja avaliada em US$ 20 bilhões.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: