Covid-19 sacudiu economia global em 2020

O Fundo Monetário Internacional (FMI) estima que a economia global tenha encolhido 4,4% este ano.

Redação
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Carlo Allegri
REUTERS/Carlo Allegri

O Fundo Monetário Internacional (FMI) estima que a economia global tenha encolhido 4,4% este ano

Acessibilidade


Quando começou 2020, a economia global tinha acabado de atingir seu décimo ano consecutivo de crescimento ininterrupto, uma onda que a maioria dos economistas e autoridades financeiras governamentais previa continuar por anos em uma versão do século 21 dos “loucos anos 20”.

Mas em dois meses, um novo vírus misterioso detectado pela primeira vez na China em dezembro de 2019 – o novo coronavírus – estava se espalhando rapidamente em todo o mundo, quebrando essas expectativas e desencadeando a mais profunda recessão mundial em gerações.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) estima que a economia global tenha encolhido 4,4% este ano, em comparação com uma contração de apenas 0,1% em 2009, quando o mundo enfrentou uma crise financeira pela última vez.

O fechamento de negócios e quaisquer atividades não essenciais por determinação dos governos em grande parte do mundo desencadeou uma onda de desemprego nunca vista desde a Grande Depressão. Ainda assim, os níveis de desemprego variaram dramaticamente em todo o mundo.

Em alguns países, como a China, os níveis de infecção por Covid-19 foram efetivamente suprimidos por meio de isolamentos rígidos, mas relativamente breves, permitindo que as taxas de desemprego permanecessem baixas. Outros, como a Alemanha, implantaram sistemas apoiados pelo governo para manter funcionários na folha de pagamento da empresa, mesmo sem trabalho.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Em outros lugares, incluindo Brasil e Estados Unidos, a disseminação descontrolada do vírus e as respostas econômicas e de saúde do governo geraram perdas de empregos galopantes. Cerca de 22 milhões de pessoas nos EUA perderam o emprego apenas em março e abril, e a taxa de desemprego saltou para cerca de 15%.

A maioria dos economistas prevê que demore um ano ou mais para que os mercados de trabalho retornem a algo semelhante à era pré-pandemia.

A Covid-19 foi um forte golpe para o comércio global, com os volumes de exportação caindo abruptamente para o nível mais baixo em quase uma década em março e abril.

A recuperação desde então tem sido liderada em grande parte pela China, que se destaca entre as principais economias no crescimento ano a ano nas exportações.

Níveis sem precedentes de estímulo governamental impediram danos ainda maiores para muitas economias, mas também aumentaram uma montanha global de dívida soberana acumulada por governos, levantando questões sobre se uma ruptura financeira é a próxima crise com a qual o mundo terá que lidar.

No entanto, taxas de juros historicamente baixas pairando em torno – e às vezes abaixo – de zero por cento significam que os custos do serviço da dívida para as economias do Grupo dos Sete (G7) estão em seus níveis mais baixos desde 1970, quando o peso da dívida era apenas uma fração do que é agora.

“A dívida hoje é sustentável e permanecerá assim por alguns anos porque enquanto a atividade econômica e o emprego não recuperarem o ímpeto, os bancos centrais dificilmente farão algo com suas taxas de juros. Isso permite que os governos mantenham o apoio fiscal na forma de esquemas de retenção e apoio às empresas”, disse Laurence Boone, economista-chefe da OCDE. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: