Ibovespa dispara e renova máximas de fevereiro; dólar recua quase 3%

O Ibovespa disparou 1,88% na sessão desta quinta-feira (10), superando os 115 mil pontos pela primeira vez desde fevereiro, sustentado pelas altas nos preços do minério de ferro e do petróleo diante da expectativa de recuperação na demanda global pelas matérias-primas com o início das vacinações. Os preços do petróleo avançaram quase 3% hoje, com o Brent superando a marca de US$ 50 por barril pela primeira vez desde o início de março. Com o fechamento de hoje, o índice brasileiro reduz a sua perda anual para 0,45%. O volume financeiro do pregão somou R$ 39,6 bilhões.

“A descoberta da vacina tem sido um catalisador chave para o rali em ativos de mercados emergentes, com moedas e ações valorizando-se significativamente na segunda quinzena de novembro”, destacou a Oxford Economics, em relatório.

O fluxo de capital estrangeiro também deu suporte ao desempenho da Bolsa e, por outro lado, derrubou os juros futuros e a cotação do dólar, que encerrou o dia em queda de 2,63% e negociado a R$ 5,03 na venda, aproximando-se de testar o patamar psicológico dos R$ 5,00. Na sessão, o real foi, de longe, o maior destaque nos mercados globais de câmbio.

“O Brasil ainda está barato em dólar”, afirmou em entrevista à agência Reuters Rafael Ribeiro, analista da Clear. “Isso com certeza foi um dos pontos para o investidor estrangeiro olhar para o nosso mercado. Quando você tem uma sinalização positiva no avanço da agenda de reformas isso se reflete em aumento de fluxo para a bolsa, o que impacta o dólar”, completou.

A notícia de que o projeto de reforma tributária possa ser votado já na próxima semana trouxe alívio aos investidores, que entendem a votação da matéria como mais um passo na direção de ortodoxia fiscal, afastando movimentos de flexibilização ou furo no teto de gastos.

Em Wall Street, as perdas no Dow Jones (-0,23%) e no S&P 500 (-0,13%) foram limitadas pelo avanço das commodities, mas os índices não tiveram força para fechar em campo positivo após a divulgação de dados negativos sobre o mercado de trabalho norte-americano. Os novos pedidos de seguro desemprego vieram bem acima do esperado, para 853 mil solicitações na semana encerrada em 5 de dezembro, contra 716 mil pedidos na semana anterior.

A crise do mercado de trabalho colabora para a fraqueza da inflação: o índice de preços ao consumidor subiu 0,2% em novembro, após permanecer inalterado em outubro. No acumulado de 12 meses até novembro, a inflação avançou 1,2%. Os dados, divulgados nesta manhã, reforçam a necessidade de mais estímulos à economia. Democratas e republicanos ainda não chegaram a um acordo para o novo pacote fiscal, entre as principais divergências estão o socorro aos estados e municípios, além de uma proteção legal às empresas afetadas pela crise. (Com Reuters)

DESTAQUES DO IBOVESPA

Maiores Altas
CSNA3: +10,50% a R$ 28,53
PRIO3: +6,08% a R$ 57,76
BBAS3: +5,20% a R$ 37,83
SULA11: +4,87% a R$ 44,59
MULT3: +4,47% a R$ 25,95

Maiores Baixas
SUZB3: -3,68% a R$ 50,55
BRFS3: -2,51% a R$ 22,11
MGLU3: -2,42% a R$ 23,40
AZUL4: -2,05% a R$ 40,05
LREN3: -1,64% a R$ 43,81

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).