Ibovespa fecha acima dos 119 mil pontos com estrangeiro e acordos no exterior

O Ibovespa acompanhou o bom humor no exterior e fechou o dia em alta, avançando 1,12% aos 119.123 pontos com os papéis da Petrobras e IRB Brasil entre os destaques do pregão. A entrada de capital estrangeiro segue como suporte da Bolsa brasileira. De acordo com dados da B3 divulgados hoje, até o dia 22 de dezembro o saldo líquido no segmento secundário era positivo em R$ 16,5 bilhões.

Sem expectativas de movimentações importantes em Brasília com a aproximação do fim do ano, os investidores domésticos devem levar a ansiedade em relação ao cenário fiscal – que tem dominado o radar dos mercados nos últimos meses – para 2021. Também em meio a atrasos na agenda de reformas estruturais, os mercados devem ficar à espera de garantias concretas de que o governo não desrespeitará seu teto de gastos em 2021.

Em Wall Street, os índices acionários tocaram máximas com investidores repercutindo a sanção na noite de ontem pelo presidente Donald Trump da lei que prevê US$ 2,3 trilhões em recursos para o funcionamento dos serviços federais e para um novo pacote de ajuda econômica a famílias e pequenos negócios nos EUA. Na semana passada, Trump tinha ameaçado vetar o projeto por considerar que os recursos destinados às famílias, de US$ 600, eram insuficientes para a saída da crise. A medida inesperada, no entanto, foi vista como um jogo do presidente para negociar outras pautas com o Congresso a poucos dias da transição de poder na Casa Branca.

O Dow Jones encerrou o dia em alta de 0,68%, o S&P 500 avançou 0,87% e o Nasdaq Composite terminou com valorização de 0,74%.

O dólar também fechou em forte alta, subindo 1,16% e negociado a R$ 5,23 na venda. No pior momento da sessão, a divisa saltou mais de 2%, o que levou o Banco Central a intervir no mercado à vista. A valorização da moeda norte-americana refletiu as compras de dólares dos bancos para ajustes de posições com o desmonte do overhedge (proteção cambial adicional adotada pelos bancos). Desfazer o overhedge implica em compra de dólares.

As ações europeias registraram seu fechamento mais forte em dez meses nesta segunda-feira, com os papéis alemães atingindo recordes em meio às notícias positivas vindas não apenas dos Estados Unidos, mas também da Europa. Na última semana, o Reino Unido e a União Europeia assinaram um acordo comercial pós-Brexit mantendo várias disposições comerciais para ambos os lados e limitando a escala de problemas resultantes da separação.

O início de um programa europeu de vacinação no domingo também alimentou esperanças de um segundo semestre livre de pandemia em 2021 e de uma forte recuperação econômica. O DAX, índice acionário da Alemanha, fechou o dia em alta de 1,49%.

Nos indicadores, o Boletim Focus, do Banco Central, revelou hoje que o mercado espera a Selic a 3,13% ao fim de 2021 e que as expectativas para a inflação são de taxa em 4,39% neste ano, e de 3,34% no próximo. Dados divulgados também nesta manhã pela Fundação Getulio Vargas (FGV) mostram a oitava elevação mensal consecutiva no Índice de Confiança da Indústria (ICI), subindo 1,8 ponto em dezembro, para 114,9 pontos, patamar máximo desde maio de 2010. (Com Reuters)

DESTAQUES DO IBOVESPA

Maiores Altas
IRBR3: +12,02% a R$ 8,11
CIEL3: +7,93% a R$ 3,81
WEGE3: +3,97% a R$ 75,50
CVCB3: +3,91% a R$ 19,68
HYPE3: +3,71% a R$ 34,90

Maiores Baixas
QUAL3: -1,59% a R$ 35,21
GOLL3: -1,18% a R$ 24,25
USIM5: -1,09% a R$ 14,46
MRFG3: -0,95% a R$ 14,54
BRKM5: -0,90% a R$ 23,03

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).