Ibovespa fecha em queda com exterior, mas sobe 2,5% na semana

O dólar quebrou a série de baixas semanais e fechou em alta de 0,08%, negociado a R$ 5,08 na venda.

Ana Paula Pereira
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa não resistiu à pressão vinda do exterior e fechou o dia em queda, acompanhando o movimento negativo em Wall Street. O suporte das mineradoras e siderúrgicas na sessão não foi suficiente para sustentar o índice no azul, embora o saldo semanal seja positivo em 2,5%. No ano, o benchmark brasileiro acumula alta de 2% impulsionado, principalmente, pela entrada de capital externo. Em dezembro, o saldo da participação estrangeira no segmento Bovespa até o dia 16 é positivo em R$ 11,5 bilhões, segundo dados da B3. Em novembro, o fluxo externo foi positivo em R$ 33 bilhões.

No exterior, as esperanças de encerrar a semana com um novo pacote de estímulos de US$ 900 bilhões nos EUA foram frustradas pela falta de avanços nas negociações. O Congresso norte-americano deve agora aprovar um terceiro projeto provisório de gastos, evitando a interrupção do funcionamento da máquina pública a partir de meia-noite enquanto seguem as negociações entre democratas e republicanos. O Dow Jones fechou o dia em baixa de 0,41%, o S&P 500 recuou 0,35% e o Nasdaq Composite encerrou negativo em 0,07%.

Os ruídos também marcaram presença no contexto doméstico. Hoje, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o presidente Jair Bolsonaro voltaram a atrair atenção de investidores. Maia chamou Bolsonaro de mentiroso e o acusou de fazer articulação para desmoralizar seus adversários, depois de, na véspera, o presidente afirmar que a população deveria cobrar o fim do 13º salário do programa Bolsa Família do parlamentar. O receio dos agentes financeiros é que as tensões com o Legislativo possam atrapalhar o andamento da agenda de reformas.

O dólar quebrou a série de baixas semanais e fechou com alta discreta de 0,08% e negociado a R$ 5,08 na venda. Ao fim de um dia de bastante oscilação, a moeda encontrou apoio no fraco apetite por riscos frente às incertezas globais. Na semana, a cotação teve alta de 0,7%. Em dezembro, todavia, a divisa ainda cai 4,9%. Nesta sexta, o Banco Central fez leilão de até US$ 2 bilhões em linhas de moeda estrangeira com o compromisso de recompra e ofertou ainda US$ 800 milhões em contratos de swap cambial.

O superávit em transações correntes do Brasil foi de US$ 202 milhões em novembro, com o déficit em 12 meses passando a 0,82% do Produto Interno Bruto (PIB). Os investimentos diretos no país (IDP) alcançaram US$ 1,514 bilhão, ante expectativa do mercado de US$ 1,35 bilhão. (Com Reuters)

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

DESTAQUES DO IBOVESPA

Maiores Altas
USIM5: +4,96% a R$ 14,39
CSNA3: +3,33% a R$ 30,40
SUZB3: +2,67% a R$ 56,43
GOAU4: +2,61% a R$ 11,38
BEEF3: +2,07% a R$ 10,37

Maiores Baixas
GOLL4: -4,04% a R$ 25,15
WEGE3: -3,83% a R$ 72,87
CVCB3: -2,60% a R$ 20,59
CIEL3: -2,60% a R$ 3,75
PRIO3: -2,58% a R$ 56,75

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: