Ibovespa sobe aos 116 mil pontos e reverte perdas acumuladas em 2020

O Ibovespa fechou em alta de 1,34% aos 116.148 pontos na sessão de hoje (15), revertendo as perdas acumuladas em 2020 com o início da pandemia. Em março o índice brasileiro chegou a acumular desvalorização de 45%. Com o fechamento de hoje, o saldo de 2020 é positivo em 0,44%.

A entrada do investidor estrangeiro segue como destaque positivo na Bolsa brasileira. Dados da B3 mostram que o saldo positivo de capital externo no mercado secundário nacional é de R$ 7,89 bilhões em dezembro até dia 11. “A aversão a risco diminuiu”, afirmou à Reuters Rodrigo Franchini, sócio da Monte Bravo Investimentos, ressaltando o efeito positivo desse movimento no fluxo de estrangeiros para as ações brasileiras, “que continua acentuado”.

Além do fluxo externo, as altas no Ibovespa foram embaladas pelo otimismo vindo do exterior, com os índices em Wall Street registrando fortes ganhos: o Dow Jones encerrou o dia em alta de 1,13%, o S&P 500 valorizou 1,29% e o Nasdaq Composite avançou 1,25% na sessão. Somado ao início da vacinação nos EUA e no Reino Unido, os investidores mantém expectativas positivas para os acordos em negociação nos dois países.

Os parlamentares norte-americanos discutem com urgência um novo pacote de estímulo econômico para o país. Democratas e republicanos trabalham com a proposta de um apoio fiscal na ordem de US$ 748 bilhões para famílias e pequenas empresas, bem abaixo dos US$ 908 bilhões discutidos nos últimos dias. Pontos divergentes entre as partes, como o socorro aos estados e municípios, bem como a proteção legal das empresas afetadas pela crise, devem ficar para janeiro. A poucos dias das festas de fim de ano, a pressão sobre o Congresso norte-americano para o pacote é grande, uma vez que, sem um acordo, os desempregados no país perderão os pagamentos de seguro desemprego no dia 26, logo após o Natal, enquanto a segunda onda de covid-19 avança em passos firmes nos EUA.

Na Europa, por sua vez, os britânicos avançam na reta final de um acordo para o Brexit. As divergências com a União Europeia, todavia, não devem ser superadas. Hoje, o primeiro-ministro do país, Boris Johnson, repetiu a seus principais ministros que o resultado mais provável das negociações comerciais é não haver acordo, mas que sua equipe ainda tenta chegar a um pacto. Com exceção de Londres, as Bolsas na região subiram nesta terça-feira após a União Europeia antecipar a data para a aprovação de uma vacina contra o coronavírus. O Stoxx 600 encerrou o dia com valorização de 0,25%.

O dólar voltou a fechar em queda contra o real, perdendo 0,69% e negociado a R$ 5,08 na venda, pressionado pela fraqueza da moeda no exterior frente ao apetite por riscos no dia e com a entrada de fluxo estrangeiro no mercado doméstico. Uma pesquisa do Bank of America com gestores de fundos da América Latina revelou otimismo com o real, com 69% dos consultados vendo o dólar abaixo de R$ 5,10 ao fim de 2021, contra 45% da sondagem anterior. Além disso, o real é a moeda mais citada (42%) como resposta a qual divisa terá desempenho superior nos próximos seis meses, seguida pelo peso mexicano (19%).

No cenário político, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta tarde que não haverá prorrogação do auxílio emergencial e nem a criação de um novo programa de distribuição de renda, afirmando que a ideia do governo é “aumentar um pouquinho” o Bolsa Família. “Quem falar em Renda Brasil, eu vou dar cartão vermelho, não tem mais conversa”, disse Bolsonaro em entrevista ao apresentador José Luiz Datena, da TV Band. (Com Reuters)

DESTAQUES DO IBOVESPA

Maiores Altas
LAME4: +7,49% a R$ 25,27
CSNA3: +6,15% a R$ 73,86
HYPE3: +5,59% a R$ 33,79
RAIL3: +5,12% a R$ 19,50
CPFE3: +5,10% a R$ 31,93

Maiores Baixas
COGN3: -2,79% a R$ 4,87
SBSP3: -1,75% a R$ 26,97
YDUQ3: -1,51% a R$ 14,39
CSNA3: -1,36% a R$ 7,25
AZUL4: -0,98% a R$ 14,13

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).