IGP-M desacelera alta a 1,18% em dezembro com arrefecimento do atacado, diz FGV

Matérias-Primas Brutas passaram de alta de 5,22% em novembro para queda de 0,32% na segunda leitura deste mês.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Rmcarvalho / GettyImages
Rmcarvalho / GettyImages

Matérias-Primas Brutas passaram de alta de 5,22% em novembro para queda de 0,32% na segunda leitura deste mês

Acessibilidade


O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) desacelerou a alta a 1,18% na segunda prévia de dezembro, depois de subir 3,05% no mesmo período do mês anterior, refletindo o arrefecimento da inflação ao produtor, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) hoje (17).

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que responde por 60% do índice geral, passou a subir 1,17% no período, depois de uma alta de 3,98% no segundo decêndio de novembro.

As Matérias-Primas Brutas foram as principais responsáveis por esse resultado, uma vez que passaram de alta de 5,22% em novembro para queda de 0,32% na segunda leitura deste mês. Segundo André Braz, coordenador dos índices de preços, a soja e o milho tiveram o maior peso sobre esse resultado.

Já o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que tem peso de 30% no índice geral, mostrou maior pressão ao acelerar a alta a 1,23% na segunda prévia de dezembro, de 0,51% no mês anterior.

O destaque entre os componentes do IPC foi o grupo Educação, Leitura e Recreação, que acelerou a alta de 0,20% para 3,91% na segunda leitura de dezembro, refletindo uma disparada nos preços das passagens aéreas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou na segunda prévia de dezembro alta de 1,20%, desacelerando ante o avanço de 1,38% registrado em novembro.

No acumulado de 2020, o IGP-M teve alta de 23,41%, resultado impulsionado principalmente pelo avanço anual de 31,98% nos preços ao produtor. O IPC acumulou alta de 4,83% nos últimos 12 meses.

O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de aluguel de imóveis.

A segunda prévia do IGP-M calculou as variações de preços no período entre os dias 21 do mês anterior e 10 do mês de referência. (Com reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Compartilhe esta publicação: