S&P mantém rating "BB-" do Brasil, mas aponta lentidão em reformas fiscais

Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Para agência de classificação de risco, próximos dois anos serão de déficits significativos nas contas públicas brasileiras

A agência de classificação de risco Standard and Poor´s reafirmou o rating de longo prazo em moeda estrangeira “BB-” do Brasil, mas apontou que a agenda de reformas fiscais no país tem evoluído de maneira lenta e que os próximos dois anos ainda deverão ser de déficits significativos nas contas públicas.

A agência avaliou que maiores rombos fiscais estão exercendo pressões de financiamento sobre o governo, num contexto em que a pandemia de Covid-19 exacerbou importantes fraquezas estruturais do Brasil, sobretudo baixo crescimento econômico e elevado custo do serviço da dívida.

LEIA MAIS: CSN prevê IPO de mineração e cimentos em 2021

A S&P projeta que o Produto Interno Bruto (PIB) vai retrair 4,7% em 2020 e crescer 3,2% em 2021.

A S&P destacou os desafios do país em fazer avançar sua agenda de reformas, salientando a falta de uma coalizão sólida no Congresso e a janela apertada para votações, tendo em vista a eleição presidencial de 2022.

“No curto prazo, uma prioridade legislativa é a aprovação de uma reforma fiscal, que buscaria abordar a premente questão de um potencial descumprimento do teto de gastos públicos”, disse a agência.

Além de manter o rating, a agência repetiu a perspectiva estável – ou seja, de manutenção da nota de crédito no atual patamar –, considerando que uma implementação oportuna de ajuste fiscal e uma modesta recuperação econômica ajudarão a preservar a confiança do mercado.

Em 2021, o Brasil enfrenta o significativo desafio de desfazer as medidas de estímulo fiscal implementadas neste ano de pandemia, disse a agência.

LEIA TAMBÉM: Eletromidia vai à bolsa buscar recursos para expansão e aquisições

O rating “BB-” atribuído ao Brasil pela S&P deixa o país no chamado status “junk”, compatível com maior percepção de risco de crédito. O país também é considerado em grau especulativo por Moody’s Investors Service e Fitch Ratings.

A Fitch manteve em meados de novembro o rating “BB-” para o Brasil, com perspectiva negativa. Na semana passada, a agência melhorou sua previsão para o desempenho da economia do Brasil neste ano, mas reduziu a expectativa para 2021.

A Moody’s atribui nota “Ba2”, com perspectiva estável, com a última atualização ocorrendo em maio. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).