Vendas no varejo do Brasil avançam 0,9% em outubro, diz IBGE

Taxa subiu 8,3 pontos percentuais em relação ao mesmo período do ano passado.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Ricardo Moraes / Reuters
Ricardo Moraes / Reuters

Taxa subiu 8,3 pontos percentuais em relação ao mesmo período do ano passado

Acessibilidade


As vendas do setor varejista surpreenderam e cresceram em outubro pelo sexto mês seguido, iniciando o quarto trimestre com força e dando seguimento à recuperação do impacto da pandemia.

Em outubro, as vendas no varejo cresceram 0,9% na comparação com setembro, informou hoje (10) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na comparação com outubro de 2019, as vendas tiveram alta de 8,3%, na quinta taxa positiva consecutiva nessa base de comparação.

Os resultados superaram com folga as expectativas em pesquisa da Reuters de recuo de 0,2% no mês e de alta na comparação anual de 6,7%.

Com os dados de outubro, o patamar do varejo bateu recorde pela terceira vez seguida, ficando 0,9% acima do que foi visto em setembro e 8,0% superior a fevereiro, nível pré-pandemia.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O setor vem mostrando crescimento desde maio alavancado pelo auxílio emergencial do governo e pelo relaxamento das medidas de contenção do coronavírus, além dos juros em mínimas recordes.

As vendas vinham mostrando perda de força, mas apresentaram um repique em outubro, antes da Black Friday em novembro e do Natal.

“Depois de quedas muito expressivas em março e abril, o varejo vinha em trajetória de crescimento, porém em ritmo de desaceleração. Esse resultado de outubro mostra um repique para cima, que precisamos ter cuidado para avaliar como uma retomada da aceleração. No mínimo, mostra um fôlego da economia num patamar que já estava alto”, disse o gerente da pesquisa, Cristiano Santos.

Entre as oito atividades pesquisadas em outubro, sete registraram aumento de vendas, com destaque para Tecidos, vestuário e calçados (6,6%), Livros, jornais, revistas e papelaria (6,6%), Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (3,7%).

As vendas de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo tiveram no mês aumento de apenas 0,6%, contidas segundo o IBGE pela pressão inflacionária.

O único dado negativo foi apresentado por Móveis e eletrodomésticos, com queda de 1,1% nas vendas.

No varejo ampliado, que inclui também veículos e materiais de construção, o volume de vendas cresceu 2,1% em relação a setembro, sexto aumento seguido.

Veículos, motos, partes e peças tiveram alta de 4,8%, enquanto Material de construção subiu 0,2%. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Compartilhe esta publicação: