3 hábitos dos milionários para proteger seus patrimônios

Saiba como administrar corretamente o dinheiro, gerar fluxo de caixa e transferir o risco.

Garrett Gunderson
Compartilhe esta publicação:
Krisanapong Detraphiphat/GettyImages
Krisanapong Detraphiphat/GettyImages

Gestão de caixa consciente é um dos métodos para quem quer ter uma vida financeira segura

Acessibilidade


Se a maioria de nós tratasse nossa saúde da maneira como tratamos nossos patrimônios, provavelmente seríamos hospitalizados e estaríamos no leito de morte em um mês.

Se queremos ser saudáveis, sabemos que é importante prestar atenção a hábitos relacionados ao sono, hidratação, nutrição e movimento. Da mesma forma, existem costumes que impedem danos à nossa saúde financeira, mas muitas vezes optamos por ignorá-los ou, até mesmo, seguir na direção oposta.

LEIA MAIS: Como um professor universitário virou bilionário da noite para o dia combatendo a Covid-19
Uma coisa que aprendi sobre milionários é que eles se apegam a três hábitos da mesma forma que uma pessoa que está se afogando se agarra a um salva-vidas. Eles sabem que essas iniciativas não apenas os protegem, como também os ajudam a aumentar sua riqueza.

Veja, na galeria de imagens abaixo, três hábitos capazes de colocar suas finanças em um patamar melhor:

  • 1. Pare de fazer orçamentos

    Inscreva-se para receber a nossa newsletter
    Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

    Você se sente inspirado quando lida com seu orçamento? Provavelmente não, porque, na verdade, esse é um exercício limitado e egoísta. E o motivo é que, quando você faz isso, tudo o que pensa é no que cortar e como economizar. Assim, você acaba usando toda a sua energia mental na redução em vez de pensar em maneiras de agregar valor.

    Agora, se você é alguém que gasta mais do que ganha, fazer um orçamento é uma boa ideia. Mas, se você ganha mais do que gasta, faça um gerenciamento de caixa consciente.

    O primeiro passo é automatizar sua economia. Assim, você não se tornará vítima do que é conhecido como lei de Parkinson. Aplicada neste contexto, esta lei diz que, sem um plano, suas despesas aumentam na mesma proporção que o incremento dos seus rendimentos em um período de três a seis meses.

    É por isso que a automação é uma aliada. Você pode, por exemplo, configurar uma poupança básica, mas separada da sua conta principal ou do mercado financeiro. Eu chamo isso de Conta de Captura de Riqueza.

    Em seguida, adote o hábito de fazer um exercício sempre que for fazer compras. Pergunte a si mesmo: havia algo aqui que eu não precisava ou não queria comprar? Junto com essa reflexão, espere 24 horas antes de fazer uma compra considerável. Isso evita impulsos e gastos dos quais você pode se arrepender mais tarde.

    A Gestão Consciente de Caixa tem o objetivo de garantir que você não gaste mais do que tem e de oferecer uma ideia geral de onde está gastando seu dinheiro. Isso o afasta do pensamento baseado na escassez e faz você refletir além. Você estará procurando maneiras de alocar seu dinheiro e seu tempo para servir aos outros e causar um impacto no mundo.

    Krisanapong Detraphiphat/Getty Images
  • 2. Não aposte no acúmulo

    Multimilionários não acreditam na filosofia de que você precisa de dinheiro para ganhar dinheiro. Eles também não colocam sua fortuna em uma conta de alto risco e esperam 30 anos para que os juros compostos apareçam.

    Essas pessoas reconhecem que essa é uma noção antiquada, que não apenas é limitante, mas também perigosa. Esperar pelo acúmulo tira a responsabilidade da pessoa e a joga sobre as instituições financeiras.

    Em vez de confiar nos bancos, os milionários pensam como eles. Investem em ativos que irão gerar fluxo de caixa, em vez de acumularem. Quando você despeja dinheiro de volta no seu negócio ou contrata alguém para liberar mais do seu tempo, está investindo em um ativo que vai fazer o dinheiro fluir, quer você entre ativamente no trabalho ou não.

    Existem outras opções para criar ativos de produção de fluxo de caixa, como começar uma parceria com um expert em imóveis, por exemplo. Essas propriedades podem reforçar a entrada mensal de dinheiro.

    Não há nada de errado em usar um banco, assim como não há nada de errado em fazer um orçamento. Mas se você quiser realmente melhorar sua vida financeira, é necessário mais do que manter o status quo. Significa tomar medidas proativas para pensar e agir como as instituições financeiras.

    Reprodução/Forbes
  • 3. Reduza e transfira seu risco

    Todos esperamos surpresas financeiras, mas a maioria delas não precisa nos atrapalhar ou nos prejudicar se fizermos as coisas certas primeiro. Assim, recomendo que você tenha recursos para se manter por, pelo menos, seis meses.

    Em segundo lugar, armazene o dinheiro em uma aplicação que lhe garanta taxas melhores do que a poupança. Uma conta que não esteja sujeita às intempéries do mercado de ações ou atrelada à sua idade. Assim, você pode obter vantagens em termos de rendimentos e ainda usar o dinheiro sempre que precisar.

    Em seguida, faça um plano de propriedade. Proteger seu dinheiro, mesmo do túmulo, não precisa ser complicado, mas tem que funcionar de acordo com seus desejos. Coloque seus planejamentos no papel agora, enquanto você está vivo. Isso permitirá que, se algum imprevisto acontecer, seu dinheiro não fique sujeito a uma grande responsabilidade tributária não planejada.

    Na sequência, construa a estrutura corporativa certa. Se você não tiver isso, correrá o risco de ter sérios problemas. Você tem responsabilidade ilimitada como indivíduo. Abrir uma empresa diminui esses riscos e é uma boa estrutura para pagar a quantidade certa de impostos.

    Por fim, pense nos seguros como forma de proteção, ou seja, invista naqueles que o protejam contra catástrofes. Transfira o risco para uma seguradora para que você tenha tranquilidade sabendo que você e seu dinheiro estarão protegidos caso algo de ruim aconteça.

    Twomeows/GettyImages

1. Pare de fazer orçamentos

Você se sente inspirado quando lida com seu orçamento? Provavelmente não, porque, na verdade, esse é um exercício limitado e egoísta. E o motivo é que, quando você faz isso, tudo o que pensa é no que cortar e como economizar. Assim, você acaba usando toda a sua energia mental na redução em vez de pensar em maneiras de agregar valor.

Agora, se você é alguém que gasta mais do que ganha, fazer um orçamento é uma boa ideia. Mas, se você ganha mais do que gasta, faça um gerenciamento de caixa consciente.

O primeiro passo é automatizar sua economia. Assim, você não se tornará vítima do que é conhecido como lei de Parkinson. Aplicada neste contexto, esta lei diz que, sem um plano, suas despesas aumentam na mesma proporção que o incremento dos seus rendimentos em um período de três a seis meses.

É por isso que a automação é uma aliada. Você pode, por exemplo, configurar uma poupança básica, mas separada da sua conta principal ou do mercado financeiro. Eu chamo isso de Conta de Captura de Riqueza.

Em seguida, adote o hábito de fazer um exercício sempre que for fazer compras. Pergunte a si mesmo: havia algo aqui que eu não precisava ou não queria comprar? Junto com essa reflexão, espere 24 horas antes de fazer uma compra considerável. Isso evita impulsos e gastos dos quais você pode se arrepender mais tarde.

A Gestão Consciente de Caixa tem o objetivo de garantir que você não gaste mais do que tem e de oferecer uma ideia geral de onde está gastando seu dinheiro. Isso o afasta do pensamento baseado na escassez e faz você refletir além. Você estará procurando maneiras de alocar seu dinheiro e seu tempo para servir aos outros e causar um impacto no mundo.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: