Após venda de torres para American Towers, ações da Telefónica saltam

Reuters
Reuters

Empresa de telefonia vende suas antenas por Є 7,7 bilhões

As ações da Telefónica disparavam hoje (11), após o grupo espanhol dizer que concordou em vender suas antenas de telefonia móvel na Europa e na América Latina para a American Towers por Є 7,7 bilhões.

A American Towers, com sede nos Estados Unidos, alugará as antenas de telefonia de volta para a Telefónica, deixando o grupo espanhol com apenas ativos de torres no Reino Unido.

A Telefónica, que ao lado de seus pares europeus têm lutado para enfrentar a queda do preço das ações em face da concorrência acirrada, poderá usar o valor da venda para cortar em Є 4,6 bilhões sua dívida líquida que se acumulou durante pesados investimentos em redes.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Os fluxos de renda de longo prazo vinculados à inflação transformaram as torres em alvos de investimento valiosos em um mundo de juros baixos. Essas redes devem se expandir para acomodar redes 5G e, eventualmente, conectar bilhões de dispositivos inteligentes.

O presidente-executivo da Telefónica, José María Álvarez-Pallete, disse que o negócio significa que a empresa pode se concentrar em seus “objetivos mais ambiciosos”, como o acordo para fundir suas operações britânicas sob a marca O2 com a Virgin Media, comprar ativos móveis da Oi e reduzir a dívida.

Em setembro, a dívida líquida da empresa era 2,77 vezes o lucro ajustado. O negócio com a American Towers trará um ganho de capital de cerca de Є 3,5 bilhões, disse a Telefónica. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).